20 setembro, 2021

Pétala nº 3345

As camadas da nossa vida repousam tão perto umas das outras que no presente adivinhamos sempre o passado, que não está posto de parte e acabado, mas presente e vivido.” 

BERNHARD SCHLINK, escritor alemão (1944-), in “O leitor”, Ed. Asa, 2009

Leia primeiro, veja o filme depois.  Ou vice-versa. 
O que importa é conhecer esta história comovente e inolvidável!



17 setembro, 2021

Pétala nº 3344

“Tão breve o Verão, antes do Outono e, depois, o Inverno.” 

J. M. COETZEE, escritor sul africano (1940-), in “Desgraça”, ed. D. Quixote, 2000 
Prémio Nobel de Literatura, 2003


(foto net)


16 setembro, 2021

Pétala nº 3343

“A bondade é o único investimento que nunca vai à falência.” 

 HENRY DAVID THOREAU, poeta e filósofo norte-americano (1817-62)

15 setembro, 2021

Pétala nº 3342

“… a poesia ou nos fala de imediato ao coração ou pura e simplesmente não nos diz nada. Um lampejo de revelação e um lampejo de resposta. Como um relâmpago. Como quem se apaixona.” 

J. M. COETZEE, escritor sul africano (1940-), in “Desgraça”, ed. D. Quixote, 2000 
Prémio Nobel de Literatura, 2003

14 setembro, 2021

Pétala nº 3341

“… tenho um certo problema com os acasos melancólicos.” 

DAVID GROSSMAN, escritor israelita (1954-), in “A vida brinca comigo”, Ed. D. Quixote, 2020

13 setembro, 2021

Pétala nº 3340

“PERTENÇO A UMA FAMÍLIA EM QUE AS MULHERES têm tendência para a longevidade. A minha bisavó paterna (...) morreu com uns simpáticos 92 anos (…) Já a minha avó (...) viveu até aos 94 anos. (…) a minha adorada mãe – não foge à regra e completou recentemente 96 anos. 
Estas três mulheres tiveram sempre por perto quem cuidou delas e as amou. Já eu, que me tornei há pouco tempo sexagenária, estou preocupada: e se a genética me favorece com a longa vida das minhas antepassadas? (…) A verdade é que não sei se me apetece cá andar mais trinta e tal anos (… ) nem sequer tenho descendência que possa «levar comigo», mas também ignoro se isso chega a ser uma desvantagem: é que, só no primeiro trimestre do ano passado (2018), segundo a APAV, foram agredidas em Portugal mais de quatro mil pessoas de idade, e na maioria das vezes os agressores eram… os próprios filhos. Adeus, futuro.”  (crónica: "Velharias")

MARIA DO ROSÁRIO PEDREIRA, editora, escritora, poetisa e letrista portuguesa (1959-), in "Adeus, futuro", Ed. Quetzal, 2021

 As 75  pequeninas crónicas (pétalas) reunidas neste livro 
foram publicadas originalmente no jornal Diário de Notícias. 
São todas... magníficas!

10 setembro, 2021

Pétala nº 3339

- Qual é a cor do tempo? 
- O tempo tem uma cor especial para cada pessoa.” 

BAPTISTA-BASTOS (Armando Baptista-Bastos), jornalista e escritor português (1934-2017), in “Um homem parado no inverno”, Edições «O Jornal», 1991



Aniversário é para celebrar a vida e é isso que pretendo fazer... domingo.
Como são muitas as velas para assoprar, vou demorar um pouco a voltar... mas volto!
 Fiquem bem. Boa  semana.

(Entretanto, pétalas continuam a ser publicadas.)


(foto net)

09 setembro, 2021

Pétala nº 3338

“Os livros não existem para que todos os leiam e encontrem neles um tema de conversas mundanas durante um certo tempo e depois os esqueçam, como se faz com a última notícia desportiva ou de crónica policial: os livros querem ser gozados e amados com calma e seriedade. Só então nos revelarão as suas íntimas belezas e virtudes.” 

HERMANN, HESSE escritor alemão (1877-1962), in “Uma biblioteca da literatura universal”, Ed. Cavalo de Ferro, 2018 
Prémio Nobel de Literatura, 1946

08 setembro, 2021

Pétala nº 3337

“Hoje as pessoas temem-se a si próprias. Esqueceram o mais nobre de todos os deveres: o dever que cada um tem para consigo mesmo.”
 
OSCAR WILDE, escritor, poeta, dramaturgo irlandês (1854-1900), in “O retrato de Dorian Gray”  (1890)“ Ed. Vega, 2000

07 setembro, 2021

Pétala nº 3336

“A solidão é o leito onde se repousa e adormece sobre os pedaços que fomos deixando nas esquinas da vida e que a cada noite rouba um pouco de nós!”
 
(Comentário pétala nº 3266)

06 setembro, 2021

Pétala nº 3335

“Sou solteiro. Quarenta e nove anos de idade.... Professor… Interesses, além do ensino, a pintura... Vícios, até ao momento, literalmente nenhuns… Há um defeito, se de defeito se trata, que talvez justifique a monotonia da minha vida (…) Falo da minha aversão por me ligar às pessoas. Tenho amigos, mas distantes. Quando uma pessoa se liga a alguém, acontecem sarilhos, e muitas vezes autênticas catástrofes.” (Conto: Nunca depois da meia-noite)

DAPHNE DU MAURIER, escritora britânica (1907-89), in “Os Pássaros e outros contos macabros”(1952), Porto Editora, 2020

Leia neste livro 6 «contos macabros»: 
"Não olhes agora", "A  Macieira", "As Lentes azuis", "Os Pássaros", "O álibi", "Nunca depois da meia-noite".
O conto "Os Pássaros" ("The Birds") foi adaptado ao cinema por Alfred Hitchcock, em 1963. Quem não viu?!
Eu vi, depois revi, e só agora (apenas agora!) li o original da tenebrosa/empolgante história, menos assustadora do que a versão do mestre Hitchcock. 

03 setembro, 2021

Pétala nº 3334

“Tal como o gelo, também as vidas estalam.” 

JEFRFREY EUGENIDES, escritor americano (1960-), in “Middlesex”, Ed. Dom Quixote, 2002

Glaciar Perito Moreno, Patagónia-Argentina.
Foto: Teresa Dias


02 setembro, 2021

Pétala nº 3333

“«Sabes quando é que acaba a infância?» Perguntou-me um dia o meu pai (…) Quando é que uma pessoa começa realmente a ser adulta? Quando começa a aceitar que os pais também têm direito a recorrer à psicologia.»”. 

DAVID GROSSMAN, escritor israelita (1954-), in “A vida brinca comigo”, Ed. D. Quixote, 2020

01 setembro, 2021

Pétala nº 3332

SAUDADE
Eu amo tudo o que foi 
Tudo o que já não é 
A dor que já não me dói 
A antiga e errônea fé 
O ontem que a dor deixou 
O que deixou alegria 
Só porque foi e voou 
E hoje é já outro dia.

FERNANDO PESSOA, poeta português (1888-1935)



Cheiiiiiinha de saudades... voltei!
(e agora, aqui estarei sempre às  9.00h)

BOM DIA, amigas e amigos!

(foto net)

30 julho, 2021

Pétala nº 3331

Não existem cem ou mil «livros mais belos», há, para cada indivíduo, uma escolha particular baseada naquilo que lhe é afim e compreensível, caro e precioso. Por isso, é impossível constituir uma boa biblioteca sob encomenda; cada um de nós deve seguir as suas próprias exigências e preferências, e criar, pouco a pouco, uma colecção de livros, da mesma forma que se criam as amizades.”
 
HERMANN, HESSE escritor alemão (1877-1962), in “Uma biblioteca da literatura universal”, Ed. Cavalo de Ferro, 2018
Prémio Nobel de Literatura, 1946



Volto em Setembro.

Queridas amigas e queridos amigos, 
fiquem bem.

Beijo.


(foto net)


29 julho, 2021

Pétala nº 3330

“- Vitória, minha neta! Isto são horas de chegar? 
- Não tenho horas para chegar ou partir, avó. Não tenho horas! A mim repugna-me ter horas, é pior do que ter piolhos. É preciso catar as horas, avó, catá-las antes que nos chupem o sangue.”
 
MIA COUTO E JOSÉ EDUARDO AGUALUSA, in “O terrorista elegante”,  (história "A caixa preta"), Ed. Quetzal, 2019

28 julho, 2021

Pétala nº 3329

“Se eu gosto de poesia? 
Gosto de gente, bichos, plantas, lugares, chocolate, vinho, papos amenos, amizade, amor. 
Acho que a poesia está contida nisso tudo.”
 
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE, escritor brasileiro (1902-87)

27 julho, 2021

Pétala nº 3328

“A felicidade torna o homem demasiado seguro de si, e essa segurança que valor tem se nunca for posta à prova pelos golpes do destino?”
 
ROBERT WALSER, escritor suíço (1878-1956), in “Os irmãos Tanner”, Ed. Relógio d’Água, 2009

26 julho, 2021

Pétala nº 3327

“- Um homem precisa de alguém, alguém que esteja perto. Uma pessoa fica louca quando não tem ninguém. Não importa quem seja o outro, desde que esteja acompanhada. Eu lhe digo… , eu lhe digo que uma pessoa sente-se tão só que até fica doente.” 

JOHN STEINBECK, escritor americano (1902-68), in “Ratos e homens” (1937), Ed. Livros do Brasil, 2017 
Prémio Nobel de Literatura, 1962

Por favor, leia este pequenino/ENORME romance!

23 julho, 2021

Pétala nº 3326

"Talvez seja bom sofrer uma queda de vez em quando. Desde que não nos quebremos."
 
J. M. COETZEE, escritor sul africano (1940-), in “Desgraça”, ed. D. Quixote, 2000 
Prémio Nobel de Literatura, 2003



(foto net)


22 julho, 2021

Pétala nº 3325

“Como tudo é simples quando a gente não sabe nada!” 

ERNEST HEMINGWAY, escritor norte-americano (1899-1961), in “Por quem os sinos dobram”, Círculo de Leitores”, 1981 
Prémio Nobel de Literatura, 1954


21 julho, 2021

Pétala nº 3324

“… um homem bom é aquele que, vivendo no mundo real, não perde a compaixão, a caridade, a lealdade e a dignidade.” 

ARTURO PÉREZ-REVERTE, escritor espanhol (1951, em entrevista a Luciana Leiderfarb, publicada na revista "E", do jornal Expresso de 29 janeiro 2021 
“Sim, mas acrescentaria que um homem bom tem de tentar mudar o mundo, e não apenas aceitá-lo como é. Precisamos de o mudar, mesmo que não sejamos bem-sucedidos no caminho.”
 
AMIN MAALOUF, escritor libanês-francês (1949-), em entrevista a Luciana Leiderfarb, publicada na revista "E", do jornal Expresso de 26 março 2021


20 julho, 2021

Pétala nº 3323

“Presságios... Na verdade penso que são intuições advindas de observação, o bom e velho sinal de alerta sempre ligado. 
Tudo é consequência na vida de todos, do que fazemos, do que deixamos de fazer, do que fazem conosco, do que fazemos com o que fazem conosco, com o que permitimos.”

(Comentário pétala nº 3265)


19 julho, 2021

Pétala nº 3322

“… O problema dos jovens de hoje é não acreditarem nos sonhos. Se os sonhos não têm serventia, então porque dormimos oito horas por dia, trinta anos em noventa de vida? E porque sonhamos tanto?
 
… Eu não gosto de sonhar, porque os sonhos são ainda mais imprevisíveis do que a vida...”

… É o contrário, os sonhos são mapas que nos ajudam a orientar a vida. Aqueles que não sabem ler os sonhos, esses, sim, estão perdidos…"

MIA COUTO e JOSÉ EDUARDO AGUALUSA, in “O terrorista elegante” (história "A fala das Ermelindas"), Ed. QUETZAL, 2019



16 julho, 2021

Pétala nº 3321

AS ROSAS 
Quando à noite desfolho e trinco as rosas 
É como se prendesse entre os dentes 
Todo o luar das noite transparentes, 
Todo o fulgor das tardes luminosas, 
O vento bailador das Primaveras 
A doçura amarga dos poentes, 
E a exaltação de todas as esperas."

SOPHIA DE MELLO BREYNER ANDRESEN,  poetisa portuguesa(1918-2004)






(foto net)

15 julho, 2021

Pétala nº 3320

“O mundo em que vivemos é demasiado complicado, agressivo e violento para um grupo de nações viver como um clube de amigos. Alguém comparou a Europa a um dinossauro herbívoro num mundo dominado por carnívoras. E tem razão.”
 
AMIN MAALOUF, escritor libanês-francês (1949-), em entrevista a Luciana Leiderfarb, publicada na revista "E", do jornal Expresso de 26 março 2021


14 julho, 2021

Pétala nº 3319

“A Educação é o vestido principal para a celebração da vida.” 

CAROLINA HERRERA (Maria Carolina Josefina Herrera Pacanins, Marquesa de Torre Casa), estilista venezuelana radicada nos Estados Unidos (1939-)


13 julho, 2021

Pétala nº 3318

“Fui músico profissional na minha juventude. (…) Por isso, se me perguntam quem foi o maior dos arquitetos, a minha resposta é Johann Sebastian Bach. Ele criou uma brilhante arquitetura musical. O meu amor pela arquitetura perpassa todas as disciplinas, porque há arquitetura na matemática, nos edifícios, na pintura, nos Sonetos de Shakespeare. A arquitetura não é um campo delimitado.” 

DANIEL LIBESKIND, arquitecto polaco naturalizado americano (1946-), em entrevista a Luciana Leiderfarb, publicada na revista "E", do jornal Expresso de 9 Abril 2021


12 julho, 2021

Pétala nº 3317

O que é que faz de duas pessoas um casal? Uma faísca? Afinidades? Um sentimento de pertença? Um olhar aparentemente anódino que se detém um milésimo de segundo? Tudo isso certamente. E o mais importante, um sentimento de casa. Algo como a terra natal.” 

DAVID GROSSMAN, escritor israelita (1954-), in “A vida brinca comigo”, Ed. D. Quixote, 2020



09 julho, 2021

Pétala nº 3316

“Sempre que atiramos lama para cima dos outros, 
o chão foge-nos mais um bocadinho debaixo dos pés.” 

CORMAC McCARTHY, escritor americano (1933-), in “Este país não é para velhos”, Ed. Relógio d’Água, 2007



(foto net)

08 julho, 2021

Pétala nº 3315

“Aquele que nunca viu a tristeza, nunca reconhecerá a alegria.” 

FHALIL GIBRAN, ensaísta, prosador, poeta, pintor libanês (1883-1931)


07 julho, 2021

Pétala nº 3314

“A curiosidade é condição essencial para a criatividade, perguntar é a curiosidade a cumprir-se.” 

(Comentário na pétala nº 3291)


06 julho, 2021

Pétala nº 3313

“Espero que este confinamento abra os olhos para o valor da música. Durante este período só fizemos duas coisas: fomos comprar comida e depois vimos filmes, lemos livros e ouvimos música. Sem música isto tinha sido um desespero total, um deserto. Ficou provado que a música é um bem essencial!” 

JEAN-MICHEL JARRE, instrumentista, compositor, produtor musical francês (1948-), in revista “E”, do jornal Expresso de 9 Abril 2021


05 julho, 2021

Pétala nº 3312

“A minha vida – a minha vida a valer – começou no dia em que um certo homem deu um passo para dentro dela.”
 
Primeiro parágrafo do romance “O amor não espera à porta”, de MARISA DE LOS SANTOS, poeta e romancista norte-americana (1966-)


02 julho, 2021

Pétala nº 3311

"A minha vida começou quando eu, acordando, 
amei o rosto da minha mãe."

GEORGE ELIOT, pseudónimo de Mary Ann Evans, romancista britânica (1819-1880)



01 julho, 2021

Pétala nº 3310

“As recordações mais valiosas esfumam-se. Tudo mergulha na Escuridão e desaparece.”
 
OLGA TOKARCZUK, psicóloga e escritora polaca (1962-), in “Conduz o teu arado sobre os ossos dos mortos”, Ed. Cavalo de Ferro, 2019 
Prémio Nobel de Literatura, 2018


30 junho, 2021

Pétala nº 3309

O que é que Amin Maalouf quer aos 72 anos? 
Que as questões com que a Humanidade se confrontou nas últimas décadas sejam o início de uma nova face da História. E talvez o fim da pré-história. O final de uma fase em que não vemos futuro e o começo de um mundo decente para todos, sem discriminação de tipo algum. Se há um momento para começar a repensar e a reconstruir o mundo, esse momento é agora.” 

AMIN MAALOUF, escritor libanês-francês (1949-), em entrevista a Luciana Leiderfarb, publicada na revista "E", do jornal Expresso de 26 março 2021


29 junho, 2021

Pétala nº 3308



Meu querido amigo Douglas
obrigada pela pétala carregada de verdade do poeta Manuel Bandeira,
e  por este miminho lindo, florido, perfumado. Amei!
Beijos e abraços cheios de carinho.


28 junho, 2021

Pétala nº 3307

“Tal como o nome, ainda menos que o nome, também a idade não deveria ter grande importância. Mas tem. Oh, se tem!" 

DAVID MOURÃO-FERREIRA, escritor e poeta português (1927-96), in “Um amor feliz”, Ed. Presença, 1986


25 junho, 2021

Pétala nº 3306

“Os dias são todos iguais, as horas é que não, quando os dias chegam ao fim têm sempre as suas vinte e quatro horas completas, mesmo quando elas não tiveram nada dentro.” 

JOSÉ SARAMAGO, escritor português (1922-2010), in “A Caverna”, Ed. Caminho, 2005 
Prémio Nobel de Literatura, 1998



(foto net)

24 junho, 2021

Pétala nº 3305

“Não sei o que pensar, por isso penso em tudo.” 
PHILIP ROTH, escritor americano (1933- 2018), in “O professor do desejo”, Ed. D. Quixote, 2020


23 junho, 2021

Pétala nº 3304

“A arquitetura é a arte da memória, por isso preservamos os edifícios, as cidades, as ruas. Por isso protegemos o património, porque percebemos que o que nos foi transmitido é mais do que pedra e pó, mais do que materiais físicos. A arquitetura tem algo de místico, pois lida com todos estes símbolos, com a capacidade de materiais inertes se tornarem vivos.” 

DANIEL LIBESKIND, arquitecto polaco naturalizado americano (1946-), em entrevista a Luciana Leiderfarb, publicada na revista "E", do jornal Expresso de 9 Abril 2021


22 junho, 2021

Pétala nº 3303

“As únicas respostas interessantes são aquelas que destroem as perguntas.” 
SUSAN SONTAG, escritora, cineasta, filósofa, professora, ativista norte-americana (1933-2004) 

“Eu não procuro saber as respostas, procuro compreender as perguntas." 
CONFÚCIO, sábio chinês (-551/-479) 

21 junho, 2021

Pétala nº 3302

“É estranho ver como a noite apaga todas as cores, como se as considerasse uma extravagância do mundo.” 

OLGA TOKARCZUK, psicóloga e escritora polaca (1962-), in “Conduz o teu arado sobre os ossos dos mortos”, Ed. Cavalo de Ferro, 2019 
Prémio Nobel de Literatura, 2018



Verão feliz, Portugal!


Inverno feliz, Brasil!

(fotos net)

18 junho, 2021

Pétala nº 3302


“As pessoas não se dão o trabalho de escutar um velho, e é por isso que há tantos velhos embatucados por aí, o olhar perdido, numa espécie de país estrangeiro.” 

CHICO BUARQUE (Chico Buarque de Holanda), escritor brasileiro (1944-) in “Leite derramado”, Ed. D. Quixote, 2009



(foto Pinterest)

17 junho, 2021

Pétala nº 3301

“A integridade não precisa de regras.” 
ALBERT CAMUS, escritor e filósofo (1913-1960) 
Prémio Nobel de Literatura, 1957

16 junho, 2021

Pétala nº 3300

“Considero a Beleza a maravilha das maravilhas. Só os fúteis não julgam pelas aparências. O verdadeiro mistério do mundo é o visível, e não o invisível.” 
OSCAR WILDE, escritor, poeta, dramaturgo irlandês (1854-1900), in “O retrato de Dorian Gray” “ Ed. Vega, 2000

15 junho, 2021

Pétala nº 3299

“Porque queremos ou precisamos de ver a velhice como um tempo de serenidade? 
Porquê supor que o coração se atrofia como os órgãos genitais?” 
JULIAN BARNES, escritor inglês (1946-), in “A mesa limão”, Ed. ASA, 2008

14 junho, 2021

Pétala nº 3298

“São tempos de encruzilhada os que vivemos. Ou somos capazes de construir novos modelos de vida, com mais sobriedade, com moderação do consumo e redução dos desperdícios ou estaremos a condenar o futuro a uma distopia, da que a atual situação pandémica é um pré-aviso. E esta viragem tanto diz respeito às sociedades no seu todo, como aos estilos adotados concretamente por cada indivíduo. Acelera-se o dano: torna-se urgente o remédio.” 
JOSÉ TOLENTINO MENDONÇA, cardeal, teólogo e poeta português (1965-), in crónica "A mala de viagem e o planeta", publicada na revista "E", do jornal Expresso de 12 Março 2021


Bom dia, alegria!

Minhas amigas e meus amigos, partilho convosco que o meu coração transborda de felicidade, 
após 4 dias de incontáveis beijinhos e abracinhos trocados com as minhas netas 
Carolina e Madalena. 
Os dias foram poucos, mas intensos, 
verdadeiros, bons demais!
Não as via desde Agosto do ano passado.  
Estão crescidas e lindas as minhas netas!

Boa semana!

11 junho, 2021

Pétala nº 3297

"A felicidade é como a borboleta: quando a perseguimos nos escapa; quando desistimos de persegui-la, pousa em nós."
PROVÉRBIO CHINÊS

"A borboleta conta momentos e não meses, e tem tempo de sobra."
RABINDRANATH TAGORE, poeta e romancista indiano (1861-1941)

"Apenas viver não é suficiente, disse a borboleta, 
É preciso ter sol, liberdade e uma pequena flor."
HANS CHRISTIAN ANDERSEN, escritor e poeta dinamarquês (1805-75)


(foto do amigo A. Gomes)

10 junho, 2021

Pétala nº 3296

“Cada vez gosto mais de ser português e cada vez tenho mais orgulho no meu país. É-me insuportável ouvir dizer «somos um país pequeno e periférico». Para mim Portugal é central e muito grande.” 
ANTÓNIO LOBO ANTUNES, escritor e psiquiatra português (1942-)



(foto net)

09 junho, 2021

Pétala nº 3295

“A morte é o fim, a data de caducidade. Está aí, não é algo terrível. O ser humano morre há milhões de anos, é o normal.” 
ARTURO PÉREZ-REVERTE, escritor espanhol (1951, em entrevista a Luciana Leiderfarb, publicada na revista "E", do jornal Expresso de 29 janeiro 2021

08 junho, 2021

Pétala nº 3294

“As pessoas sabem aquilo que elas fazem; frequentemente sabem por que fazem o que fazem; mas o que ignoram é o efeito produzido por aquilo que fazem.” 
MICHEL FOUCAULT, filósofo, psicólogo, professor, escritor francês (1926-84)

07 junho, 2021

Pétala nº 3293

“UM HOMEM bêbedo voa. Só os lúcidos acreditam que ele vai aos esses e erres, quando, na realidade, voa em suas asas invisíveis, e chega a toda a parte mais cedo do que esperava. (…) Não se magoa a si mesmo, porque os homens bêbedos são transportados no avental da Virgem Maria.” 
DENZÓ KOSZTOLÁYI, escritor, poeta, tradutor e jornalista húngaro (1885-1936), in “Cotovia”, Ed. Dom Quixote, 2006

04 junho, 2021

Pétala nº 3292


"Não importa se os animais são incapazes ou não de pensar. O que importa é que são capazes de sofrer."
JEREMY BENTHAM, filósofo e jurista inglês (1748-1832)



(foto  net)

03 junho, 2021

Pétala nº 3291

“… quem está vivo faz perguntas. Se calhar é por isso que estamos vivos.” 
PHILIP ROTH, escritor americano (1933-2018 ), in “O professor do desejo”, Ed. D. Quixote, 2020

02 junho, 2021

Pétala nº 3290

Como é que ser um imigrante moldou a sua visão do mundo? 
Todos somos imigrantes. Todos viemos de um outro lugar. A ideia de «solo e sangue» é uma falsidade, porque ninguém é dono deste mundo. Ser um imigrante ajuda a ter uma perspetiva sobre a maldade da intolerância, a maldade de dizer: «Isto é meu!»”. Ajuda a identificar os vulneráveis, os que estão em baixo, e a saber qual é o nosso lugar no mundo.” 
DANIEL LIBESKIND, arquitecto polaco naturalizado americano (1946-), em entrevista a Luciana Leiderfarb, publicada na revista "E", do jornal Expresso de 9 Abril 2021 

(O futuro Tikvá Museu Judaico de Lisboa terá a assinatura de Daniel Libeskind.)


01 junho, 2021

Pétala nº 3289


“Que Deus te dê para cada tempestade, um arco-íris. 
Para cada lágrima, um sorriso. 
Para cada cuidado, uma promessa, e uma bênção para cada provação. 
Que para cada problema, a vida te traga alguém fiel com quem dividi-lo. 
Para cada olhar uma doce canção, e uma resposta para cada oração."
BÊNÇÃO IRLANDESA



(Hoje, Dia Mundial da CRIANÇA!)


(foto net)

31 maio, 2021

Pétala nº 3288

“«Há nos homens mais coisas a admirar que coisas a desprezar.» Nos homens, escreveu Camus. Não nos deuses, não nos santos, não nas bestas, mas nos homens. Aqueles que, em tempos de peste, escolhem a decência.” 
BRUNO VIEIRA AMARAL, escritor português (1978-), in “Manobras de guerrilha”, Ed. Quetzal, 2018

30 maio, 2021

Pétala nº 3287

“Desde o segundo em que começou a ler esta frase, o seu corpo produziu um milhão de glóbulos vermelhos. Já estão a acelerar dentro de si, a viajar nas suas veias, a mantê-lo vivo. Cada um destes glóbulos vermelhos dará a volta ao seu corpo cerca de 150 000 vezes, transportando repetidamente o oxigénio para as suas células, e depois, gasto e esgotado, apresentar-se-á perante outras células para ser silenciosamente liquidado em nome de um bem maior: você.” 

BILL BRYSON, escritor norte-americano (1951-), in “O CORPO – Um guia para ocupantes”, Bertrand Editora, 2019



Leia  esta investigação  bem humorada  sobre o corpo humano. 
É deliciosa!


(foto net)

29 maio, 2021

Pétala nº 3286

“Aprendi o silêncio com os faladores, a tolerância com os intolerantes, a bondade com os maldosos; e, por estranho que pareça, sou grato a esses professores.” 
FHALIL GIBRAN, ensaísta, prosador, poeta, pintor libanês (1883-1931)


28 maio, 2021

Pétala nº 3285


UM POEMA NO PALPITAR DO CORAÇÃO 

Queria escrever um poema 
Que ninguém lesse 
Que ninguém visse 
Que nunca aparecesse 
Mas que alguém o sentisse 
Que tivesse o perfume de uma flor 
Que brilhasse como o sol 
Que tivesse o sossego da noite 
A candura do luar 
A beleza de um girassol 
Que descrevesse o meu amor 
A doçura do teu olhar 
Só para o poder oferecer 
Na suavidade do verbo amar 
Na paz da minha solidão 
E só tu o soubesses perceber 
No palpitar do teu coração 
Quando sozinha o fosses ler




(foto net)

27 maio, 2021

Pétala nº 3284

"… às vezes, tenho a impressão de que vivemos num mundo inventado por nós mesmos. Estabelecemos o que é bom e o que não é, desenhando mapas de significados… e, depois, passamos a vida inteira a lutar contra aquilo que concebemos. O problema é que cada um tem a sua versão do mundo, e por isso é tão difícil as pessoas entenderem-se."
OLGA TOKARCZUK, psicóloga e escritora polaca (1962-), in “Conduz o teu arado sobre os ossos dos mortos”, Ed. Cavalo de Ferro, 2019 
Prémio Nobel de Literatura, 2018


26 maio, 2021

Pétala nº 3283


“… sempre me fez a maior impressão o raio de semelhança que existe entre a palavra «adulto» e a palavra «adúltero».
Adultos, adúlteros. Curioso!” 

DAVID MOURÃO-FERREIRA, escritor e poeta português (1927-96), in “Um amor feliz”, Ed. Presença, 1986



(foto net)


25 maio, 2021

Pétala nº 3282

“Tão pobres somos que as mesmas palavras nos servem para exprimir a mentira e a verdade.” 
FLORBELA ESPANCA, poetisa portuguesa (1894-1930)

“As palavras são a nossa condenação. Com palavras se ama, com palavras se odeia. E, suprema irrisão, ama-se e odeia-se com as mesmas palavras.” 
EUGÉNIO DE ANDRADE, poeta português (1923-2005)
 

24 maio, 2021

Pétala nº 3281

“Algumas pessoas divertem-se à grande durante a vida e depois tropeçam naquelas que se limitam a caminhar!” 
KNUT HAMSUN, escritor norueguês (1859-1952), in “Os frutos da terra”, Ed. Cavalo de ferro, 2016
Prémio Nobel de Literatura 1920


23 maio, 2021

Pétala nº 3280


“… a lógica do universo gira em torno das lágrimas das mães.”

ORHAN PAMUK, escritor turco (1952-), in “Mulher de cabelo ruivo,” Ed. Presença, 2006 
Prémio Nobel de Literatura 2006


(desenho da flor, net)

22 maio, 2021

Pétala nº 3279

“O correr das águas, a passagem das nuvens, o brincar das crianças, o sangue nas veias. Esta é a música de Deus.” 
HERMANN HESSE, escritor alemão (1877-1962) 
Prémio Nobel de Literatura, 1946 


21 maio, 2021

Pétala nº 3278


perdi as palavras dentro de mim 
esconderam-se dentro dos mil pensamentos 
que guardo na estante do meu cérebro
vejo-as a espreitar
pelas folhas gastas dum livro de poesia
tento apanhá-las
mas elas caem e ficam no meu peito
muito quietinhas por detrás do coração
agora sim apanhei-vos
penso eu
pois aí as palavras ficam cativas
para sempre
mas estas são diferentes
desceram até ao ventre
não têm salvação 



(pintura de Françoise Collandre, net)

20 maio, 2021

Pétala nº 3277

“Caramba, como é fácil a vida quando é fácil, e como é difícil quando é difícil.” 
PHILIP ROTH, escritor americano (1933-2018 ), in “O professor do desejo”, Ed. D. Quixote, 2020

19 maio, 2021

Pétala nº 3276

“Um dia tudo será excelente, eis a nossa esperança; hoje tudo corre pelo melhor, eis a nossa ilusão.”
VOLTAIRE, filósofo francês (1694-1778)

18 maio, 2021

Pétala nº 3275

“… o meu instinto de sobrevivência leva-me sempre aos museus, como na guerra as pessoas corriam para os abrigos anti-bombas.” 
MARÍA GAINZA, crítica de arte e escritora argentina (1975-), in “O nervo ótico”, Ed. D. Quixote, 2018

17 maio, 2021

Pétala nº 3274

“Em criança tirei um pássaro de dentro de uma gaiola. O pássaro não voou. Ficou ali andando aos círculos, aos círculos, aterrorizado com a largueza do mundo e a responsabilidade enorme de ter de sobreviver por si.” 
JOSÉ EDUARDO AGUALUSA, escritor angolano (1960-), in “Estação das chuvas”, Ed. Quetzal, 2017

16 maio, 2021

Pétala nº 3273

Sou um homem invisível. Não, não sou um fantasma como aqueles que importunavam Edgar Allan Poe; também não sou um dos ectoplasmas dos filmes de Hollywood. Sou um homem de substância, de carne e osso, músculos e líquidos, e pode mesmo dizer-se que possuo uma mente. Sou invisível, compreendam, simplesmente porque as pessoas se recusam a ver-me. (...)
Não sou nenhuma aberração da natureza nem da história. Não me envergonho de os meus avós terem sido escravos. Só me envergonho de mim próprio por em certa altura me ter envergonhado.” 

Primeiro parágrafo do romance "Homem invisível", de RALPH ELLISON, escritor norte-americano (1914-1994)


"Não deixes que nenhum branco te faça confidências, porque depois 
ele fica envergonhado e passa a odiar-te. A verdade é que já te odiava."

Se ainda não leu este portentoso primeiro romance publicado em 1952 e considerado a melhor obra afro-americana de sempre, recomendo que o faça!


15 maio, 2021

Pétala nº 3272

“Por vezes as famílias estão repletas de segredos e de escuridão, de zonas de mistério.” 
DAVID GROSSMAN, escritor israelita (1954-), revista “E” do Jornal Expresso de 17/10/2020


14 maio, 2021

Pétala nº 3271

“… a tecnologia cria uma armadilha. Não mata o homem, mas encerra-o. Mete-o num campo de concentração tecnológico levando-o a acreditar que é livre quando não o é. O homem perdeu a liberdade no momento em que o mundo se converteu num lugar controlável tecnologicamente.” 
ARTURO PÉREZ-REVERTE, escritor espanhol (1951, em entrevista a Luciana Leiderfarb, publicada na revista "E", do jornal Expresso de 29 janeiro 2021

13 maio, 2021

Pétala nº 3270

"Precisamos de alguém que nos olhe com esperança."

"Os momentos mais difíceis são muitas vezes férteis em manifestações da esperança que acontecem por pura graça."

"Compreender que a esperança floresce no instante é experimentar o perfume eterno."

JOSÉ TOLENTINO MENDONÇA, teólogo e poeta português (1965-) in “Uma beleza que nos pertence”, Ed. Quetzal, 2019


(foto net)

12 maio, 2021

Pétala nº 3269

"Se todas as batalhas dos homens se dessem apenas nos campos de futebol, quão belas seriam as guerras." 
AUGUSTO BRANCO, pseudónimo de Nazareno Vieira de Souza, poeta e escritor brasileiro (1980-) 

"A felicidade de quem vence, a tristeza de quem perde, afinal, futebol é isso, uma mistura de dor e alegria!" 
AUTOR DESCONHECIDO



VIVA 
O SPORTING CAMPEÃO!

(foto net)

11 maio, 2021

Pétala nº 3268

“…existe a categoria dos sonhos lúcidos, quando você sabe que o sonho é sonho, mas não consegue ver a saída. Ou vê, mas não quer sair, ou sai e já volta porque aqui fora é o absurdo… “ 
CHICO BUARQUE (Chico Buarque de Holanda), escritor brasileiro (1944-) in “Essa gente”, Ed. Companhia das Letras, 2020

10 maio, 2021

Pétala nº 3267


«O Porto ergue-se em anfiteatro sobre o esteiro do Douro e reclina-se no seu leito de granito. Guardador de três províncias e tendo nas mãos as chaves dos haveres delas, o seu aspecto é severo e altivo, como o de mordomo de casa abastada.» 
ALEXANDRE HERCULANO, escritor português (1810-77) 

«Lisboa inveja ao Porto a sua riqueza, o seu comércio, as suas belas ruas novas, o conforto das suas casas, a solidez das suas fortunas, a seriedade do seu bem estar. O Porto inveja a Lisboa a Corte, o Rei, as Câmaras, S. Carlos e o Martinho. Detestam-se!» 
EÇA DE QUEIRÓS, escritor e diplomata português (1845-1900) 

«E quanto ao riso, o Porto gosta de rir e de rir com uma certa insolência: ri mais desbragadamente, mais primariamente, mais saudavelmente e com mais gosto do que Lisboa.» 
VASCO GRAÇA MOURA, escritor, tradutor e político português (1942-2014)


Porque promessas eu cumpro, Teresa Palmira Hoffbauer esta pétala (tripla) é para ti.


De Lisboa faltou mostrar o Castelo de São Jorge? Pronto, pronto, aqui está ele.

(fotos net)



09 maio, 2021

Pétala nº 3266

Porque será que estamos condenados a ser assim tão solitários? Qual a razão de tudo isto. Há tanta, tanta gente neste mundo, todos à espera de qualquer coisa uns dos outros, e, contudo, todos irremediavelmente afastados. Porquê? Continuará a Terra a girar unicamente para alimentar a solidão dos homens?”

HARUKI MURAKAMI, escritor e tradutor japonês (1949-), in “SPUTNIK meu amor", de Ed. Casa das Letras, 2005




Dia Feliz 
para todas as mães brasileiras... e alemãs.

(fotos net)

08 maio, 2021

Pétala nº 3265

“… presságios, é coisa que não existe. O Destino não se faz anunciar. Tem demasiado bom senso ou demasiada crueldade para o fazer.” 
OSCAR WILDE, escritor, poeta, dramaturgo irlandês (1854-1900), in “O retrato de Dorian Gray” “ Ed. Vega, 2000

07 maio, 2021

Pétala nº 3264


"TODOS OS DIAS
Todos os dias são dias de tudo 
Onde tudo acontece 
As sombras emergem 
As amarras se apertam 
O sol desaparece 
O mar se agiganta 
O vento fustiga 
A chuva aparece.

E então num instante… 
Mesmo que não esperemos 
Tudo vira ao contrário 
O que outrora era pedra 
Num toque de magia 
Vira diamante.

E assim são os dias 
Os meses os anos…
Em que isto acontece 
Porque somos humanos!"

Poema de MÁRIO MARGARIDEhttps://poesiaaquiesta.blogspot.com/


(Obrigada, Mário. Muito obrigada!)

06 maio, 2021

Pétala nº 3263

“Todas as histórias de amor são potenciais histórias de dor. Se não no princípio, depois. Se não para um, para o outro. Às vezes para ambos. Então por que aspiramos continuamente a amar? Porque o amor é o ponto onde se encontram a verdade e a magia." 
JULIAN BARNES, escritor inglês (1946-), in “A mesa limão”, Ed. ASA, 2008

05 maio, 2021

Pétala nº 3262


“Não tenho sentimento nenhum político ou social. Tenho, porém, num sentido, um alto sentimento patriótico. Minha pátria é a língua portuguesa. Nada me pesaria que invadissem ou tomassem Portugal, desde que não me incomodassem pessoalmente. Mas odeio, com ódio verdadeiro, com o único ódio que sinto, não quem escreve mal português, não quem não sabe sintaxe, não quem escreve em ortografia simplificada, mas a página mal escrita, como pessoa própria, a sintaxe errada, como gente em quem se bata, a ortografia sem ípsilon, como um escarro direto que me enoja independentemente de quem o cuspisse.
Sim, porque a ortografia também é gente. A palavra é completa vista e ouvida. E a gala da transliteração greco-romana veste-ma do seu vero manto régio, pelo qual é senhora e rainha.” 

FERNANDO PESSOA, poeta português (1888-1935), in “Livro do desassossego”, Ed. Tinta da China, 2014



(Hoje, Dia Mundial da Língua Portuguesa!)


(foto net)