30 setembro, 2021

Pétala nº 3353

“A alegria é, fundamentalmente, uma expressão profunda do ser: em bondade, em verdade, em beleza.”

JOSÉ TOLENTINO MENDONÇA, cardeal, teólogo e poeta português (1965-)

29 setembro, 2021

Pétala nº 3352

“Que animal horrível é um homem encolerizado.”

ERNEST HEMINGWAY, escritor norte-americano (1899-1961), in “Por quem os sinos dobram”, Círculo de Leitores”, 1981 
Prémio Nobel de Literatura, 1954

28 setembro, 2021

Pétala nº 3351

“- Tenho-te visto mas não te conheço. Agora, que te conheço, vou passar a ver-te.”
 
BAPTISTA-BASTOS (Armando Baptista-Bastos), jornalista e escritor português (1934-2017), in “Um homem parado no inverno”, Edições «O Jornal», 1991

27 setembro, 2021

Pétala nº 3350

-  Porque é que não és feliz com a tua mulher? Porque é que não te chega? 
-  Porque é que o teu marido não te chega? 
- Contei-te muitas coisas sobre ele. Quero saber coisas de ti. Contei-te imensas coisas sobre mim. Quero saber porque é que ela não te chega. 
-  Estás a fazer a pergunta errada.
-  Qual é a pergunta certa? 
-  Não sei. 
(...)
-  Porque é que sofres tanto a evitar magoá-la? 
-  Porque haveria de querer magoá-la? 
(…) 
-  Talvez devêssemos desistir desta conversa. 
-  Porquê, quando há coisas sobre ti que eu quero saber? 
- Talvez funcione melhor se só um dos participantes numa história de adultério se queixar de dissabores domésticos. Se ambos se metessem nisso, seria improvável que houvesse tempo para a história propriamente dita. (...)” 

PHILIP ROTH, escritor americano (1933- 2018), in “Traições”, Bertrand Editora, 1991

24 setembro, 2021

Pétala nº 3349

"À medida que envelhecemos, o coração deixa cair as folhas como uma árvore. Nada resiste contra certos ventos. Cada dia arranca umas folhas mais; e depois há as tempestades, que de uma só vez partem vários ramos. E enquanto o verde da natureza cresce na primavera seguinte, o do coração não volta a crescer."

GUSTAVE FLAUBERT, escritor francês (1821-80), citado por JULIAN BARNES, escritor inglês (1946-), in “O papagaio de Flaubert”, Ed. Quetzal, 2019



(foto net)

23 setembro, 2021

Pétala nº 3348

“... era muito mais velha do que as raparigas com quem eu sonhava. Mais de trinta anos? Adivinha-se mal uma idade a que ainda não se chegou nem se está perto de chegar.” 

BERNHARD SCHLINK, escritor alemão (1944-), in “O leitor”, Ed. Asa, 2009

22 setembro, 2021

Pétala nº 3347

“Do hábito da resignação nasce sempre a falta de interesse, a negligência, a indolência, a inactividade e quase a imobilidade.” 

GIACOMO LEOPARD, poeta e ensaísta italiano (1798-1837)

21 setembro, 2021

Pétala nº 3346

“O silêncio ensina tanto... As palavras, os gestos podem agredir, o silêncio se cala! Quando há dúvida...o silêncio salva.” 
TAIS LUSO DE CARVALHO, cronista e artista plástica brasileira https://taisluso.blogspot.com/

“…há silêncios verdadeiramente eloquentes.” 

“Fundamental é saber ler os silêncios.” 
 
“Há silêncios muito cheios. Haja quem os leia.”

(Comentários pétala nº 3152)

20 setembro, 2021

Pétala nº 3345

As camadas da nossa vida repousam tão perto umas das outras que no presente adivinhamos sempre o passado, que não está posto de parte e acabado, mas presente e vivido.” 

BERNHARD SCHLINK, escritor alemão (1944-), in “O leitor”, Ed. Asa, 2009

17 setembro, 2021

Pétala nº 3344

“Tão breve o Verão, antes do Outono e, depois, o Inverno.” 

J. M. COETZEE, escritor sul africano (1940-), in “Desgraça”, ed. D. Quixote, 2000 
Prémio Nobel de Literatura, 2003


(foto net)


16 setembro, 2021

Pétala nº 3343

“A bondade é o único investimento que nunca vai à falência.” 

 HENRY DAVID THOREAU, poeta e filósofo norte-americano (1817-62)

15 setembro, 2021

Pétala nº 3342

“… a poesia ou nos fala de imediato ao coração ou pura e simplesmente não nos diz nada. Um lampejo de revelação e um lampejo de resposta. Como um relâmpago. Como quem se apaixona.” 

J. M. COETZEE, escritor sul africano (1940-), in “Desgraça”, ed. D. Quixote, 2000 
Prémio Nobel de Literatura, 2003

14 setembro, 2021

Pétala nº 3341

“… tenho um certo problema com os acasos melancólicos.” 

DAVID GROSSMAN, escritor israelita (1954-), in “A vida brinca comigo”, Ed. D. Quixote, 2020

13 setembro, 2021

Pétala nº 3340

“PERTENÇO A UMA FAMÍLIA EM QUE AS MULHERES têm tendência para a longevidade. A minha bisavó paterna (...) morreu com uns simpáticos 92 anos (…) Já a minha avó (...) viveu até aos 94 anos. (…) a minha adorada mãe – não foge à regra e completou recentemente 96 anos. 
Estas três mulheres tiveram sempre por perto quem cuidou delas e as amou. Já eu, que me tornei há pouco tempo sexagenária, estou preocupada: e se a genética me favorece com a longa vida das minhas antepassadas? (…) A verdade é que não sei se me apetece cá andar mais trinta e tal anos (… ) nem sequer tenho descendência que possa «levar comigo», mas também ignoro se isso chega a ser uma desvantagem: é que, só no primeiro trimestre do ano passado (2018), segundo a APAV, foram agredidas em Portugal mais de quatro mil pessoas de idade, e na maioria das vezes os agressores eram… os próprios filhos. Adeus, futuro.”  (crónica: "Velharias")

MARIA DO ROSÁRIO PEDREIRA, editora, escritora, poetisa e letrista portuguesa (1959-), in "Adeus, futuro", Ed. Quetzal, 2021

10 setembro, 2021

Pétala nº 3339

- Qual é a cor do tempo? 
- O tempo tem uma cor especial para cada pessoa.” 

BAPTISTA-BASTOS (Armando Baptista-Bastos), jornalista e escritor português (1934-2017), in “Um homem parado no inverno”, Edições «O Jornal», 1991



Aniversário é para celebrar a vida e é isso que pretendo fazer... domingo.
Como são muitas as velas para assoprar, vou demorar um pouco a voltar... mas volto!
 Fiquem bem. Boa  semana.

(Entretanto, pétalas continuam a ser publicadas.)


(foto net)

09 setembro, 2021

Pétala nº 3338

“Os livros não existem para que todos os leiam e encontrem neles um tema de conversas mundanas durante um certo tempo e depois os esqueçam, como se faz com a última notícia desportiva ou de crónica policial: os livros querem ser gozados e amados com calma e seriedade. Só então nos revelarão as suas íntimas belezas e virtudes.” 

HERMANN, HESSE escritor alemão (1877-1962), in “Uma biblioteca da literatura universal”, Ed. Cavalo de Ferro, 2018 
Prémio Nobel de Literatura, 1946

08 setembro, 2021

Pétala nº 3337

“Hoje as pessoas temem-se a si próprias. Esqueceram o mais nobre de todos os deveres: o dever que cada um tem para consigo mesmo.”
 
OSCAR WILDE, escritor, poeta, dramaturgo irlandês (1854-1900), in “O retrato de Dorian Gray”  (1890)“ Ed. Vega, 2000

07 setembro, 2021

Pétala nº 3336

“A solidão é o leito onde se repousa e adormece sobre os pedaços que fomos deixando nas esquinas da vida e que a cada noite rouba um pouco de nós!”
 
(Comentário pétala nº 3266)

06 setembro, 2021

Pétala nº 3335

“Sou solteiro. Quarenta e nove anos de idade.... Professor… Interesses, além do ensino, a pintura... Vícios, até ao momento, literalmente nenhuns… Há um defeito, se de defeito se trata, que talvez justifique a monotonia da minha vida (…) Falo da minha aversão por me ligar às pessoas. Tenho amigos, mas distantes. Quando uma pessoa se liga a alguém, acontecem sarilhos, e muitas vezes autênticas catástrofes.” (Conto: Nunca depois da meia-noite)

DAPHNE DU MAURIER, escritora britânica (1907-89), in “Os Pássaros e outros contos macabros”(1952), Porto Editora, 2020

Leia neste livro 6 «contos macabros»: 
"Não olhes agora", "A  Macieira", "As Lentes azuis", "Os Pássaros", "O álibi", "Nunca depois da meia-noite".
O conto "Os Pássaros" ("The Birds") foi adaptado ao cinema por Alfred Hitchcock, em 1963. Quem não viu?!
Eu vi, depois revi, e só agora (apenas agora!) li o original da tenebrosa/empolgante história, menos assustadora do que a versão do mestre Hitchcock. 

03 setembro, 2021

Pétala nº 3334

“Tal como o gelo, também as vidas estalam.” 

JEFRFREY EUGENIDES, escritor americano (1960-), in “Middlesex”, Ed. Dom Quixote, 2002

Glaciar Perito Moreno, Patagónia-Argentina.
Foto: Teresa Dias


02 setembro, 2021

Pétala nº 3333

“«Sabes quando é que acaba a infância?» Perguntou-me um dia o meu pai (…) Quando é que uma pessoa começa realmente a ser adulta? Quando começa a aceitar que os pais também têm direito a recorrer à psicologia.»”. 

DAVID GROSSMAN, escritor israelita (1954-), in “A vida brinca comigo”, Ed. D. Quixote, 2020

01 setembro, 2021

Pétala nº 3332

SAUDADE
Eu amo tudo o que foi 
Tudo o que já não é 
A dor que já não me dói 
A antiga e errônea fé 
O ontem que a dor deixou 
O que deixou alegria 
Só porque foi e voou 
E hoje é já outro dia.

FERNANDO PESSOA, poeta português (1888-1935)



Cheiiiiiinha de saudades... voltei!
(e agora, aqui estarei sempre às  9.00h)

BOM DIA, amigas e amigos!

(foto net)