31 maio, 2016

Pétala nº 1466

“Se você ama alguém, deixe-o livre.”

Stanislaw Jerzy Lec, poeta polaco (1909-66)

30 maio, 2016

Pétala nº 1465

“Estou triste abaixo da consciência.” 

Fernando Pessoa, poeta português (1888-1935), in “Livro do desassossego”, Ed. Tinta da China, 20145

29 maio, 2016

Pétala nº 1464

“Somos cépticos para milagres e, todavia, acreditamos na gratidão.”

Emanuel Wertheimer, filósofo alemão (1846-1916)

28 maio, 2016

Pétala nº 1463

“A sabedoria mais fina é a que distingue imagens no invisível.” 

José Luís Peixoto, escritor português (1974-), in “Em teu ventre”, Ed. Quetzal, 2015

27 maio, 2016

Pétala nº 1462

“Todos somos iguais perante a lei, mas não perante os encarregados de fazê-las cumprir.” 

Stanislaw Jerzy Lec, poeta polaco (1909-66)

26 maio, 2016

Pétala nº 1461

“Como qualquer ferramenta, também a tristeza tem um uso próprio.” 

José Luís Peixoto, escritor português (1974-), in “Em teu ventre”, Ed. Quetzal, 2015

25 maio, 2016

Pétala nº 1460

"Não é verdade que as pessoas param de perseguir sonhos porque envelhecem. Elas envelhecem precisamente porque param de perseguir sonhos". 

Gabriel García Marquez, escritor colombiano (1927-2014) 
Prémio Nobel de Literatura, 1982

24 maio, 2016

Pétala nº 1459

“O que há de mais reles nos sonhos é que todos os têm.” 

Fernando Pessoa, poeta português (1888-1935), in “Livro do desassossego”, Ed. Tinta da China, 2014

23 maio, 2016

Pétala nº 1458

"O futuro já não é aquilo que costumava ser". 

Paul Valéry, poeta francês (1871-1945)

22 maio, 2016

Pétala nº 1457

“Pedi tão pouco à vida e esse mesmo pouco a vida me negou.” 

Fernando Pessoa, poeta português (1888-1935), in “Livro do desassossego”, Ed. Tinta da China, 2014

21 maio, 2016

Pétala nº 1456

“A vida é uma perpétua construção/desconstrução”. 

António Filipe Pimentel, director do Museu Nacional de Arte Antiga, Portugal, 2016

20 maio, 2016

Pétala nº 1455

“Durmo quando sonho o que não há; vou despertar quando sonho o que pode haver.” 

Fernando Pessoa, poeta português (1888-1935), in “Livro do desassossego”, Ed. Tinta da China, 2014

19 maio, 2016

Pétala nº 1454

“É preciso ter muita paciência para aprender a ter paciência”. 

Stanislaw Jerzy Lec, poeta polaco (1909-66)

18 maio, 2016

Pétala nº 1453

“Cada vez que viajo, viajo muito”. 

Fernando Pessoa, poeta português (1888-1935), in “Livro do desassossego”, Ed. Tinta da China, 2014

17 maio, 2016

Pétala nº 1452

"Obstáculos são as coisas assustadoras que vemos quando desviamos os olhos do objectivo". 

Henry Ford, empresário norte-americano, fundador da Ford Motor Company (1863-1947)

16 maio, 2016

Pétala nº 1451

“Sofre ritmicamente.” 

Fernando Pessoa, poeta português (1888-1935), in “Livro do desassossego”, Ed. Tinta da China, 2014

15 maio, 2016

Pétala nº 1450

“O importante não é aquilo que fazem de nós, mas o que nós mesmos fazemos do que os outros fizeram de nós.” 

Jean-Paul Sartre, filósofo e escritor francês (1905-80)

14 maio, 2016

Pétala nº 1449

“Os desastres dos romances são sempre belos porque não corre sangue autêntico neles, nem apodrecem os mortos nos romances, nem a podridão é podre nos romances.” 

Fernando Pessoa, poeta português (1888-1935), in “Livro do desassossego”, Ed. Tinta da China, 2014

13 maio, 2016

Pétala nº 1448

“O arrependimento sincero é geralmente resultado da oportunidade perdida.” 

Emanuel Wertheimer, filósofo alemão (1846-1916)

12 maio, 2016

Pétala nº 1447

"A minha vida é uma febre perpétua, uma sede sempre renovada." 

Fernando Pessoa, poeta português (1888-1935), in “Livro do desassossego”, Ed. Tinta da China, 2014

11 maio, 2016

Pétala nº 1446

”O melhor governo é aquele em que há o menor número de homens inúteis.” 

Voltaire, filósofo francês (1694-1778)

10 maio, 2016

Pétala nº 1445

“Tive um certo talento para a amizade, mas nunca tive amigos, quer porque eles me faltassem, quer porque a amizade que eu concebera fora um erro dos meus sonhos.” 

Fernando Pessoa, poeta português (1888-1935), in “Livro do desassossego”, Ed. Tinta da China, 2014

09 maio, 2016

Pétala nº 1444

“Saia do caminho da justiça! Ela é cega.”

Stanislaw Jerzy Lec, poeta polaco (1909-66)

08 maio, 2016

Pétala nº 1443

“Matar o sonho é matarmo-nos. É mutilar a nossa alma. O sonho é o que temos de realmente nosso, de impenetravelmente e inexpugnavelmente nosso.” 

Fernando Pessoa, poeta português (1888-1935), in “Livro do desassossego”, Ed. Tinta da China, 2014

07 maio, 2016

Pétala nº 1442

“Todos os homens têm medo. Quem não tem medo não é normal; isso nada tem a ver com a coragem.” 

Jean-Paul Sartre, filósofo e escritor francês (1905-80)

06 maio, 2016

Pétala nº 1441

“Toda a vida da alma humana é um movimento na penumbra.”

Fernando Pessoa, poeta português (1888-1935), in “Livro do desassossego”, Ed. Tinta da China, 2014

05 maio, 2016

Pétala nº 1440

“Verifica se o que prometes é justo e possível, pois promessa é dívida.” 

Confúcio, sábio chinês (-551/-479)

04 maio, 2016

Pétala nº 1439

“O dinheiro é belo porque é uma libertação”. 

Fernando Pessoa, poeta português (1888-1935), in “Livro do desassossego”, Ed. Tinta da China, 2014

03 maio, 2016

Pétala nº 1438

“Acordo sem simpatia dá uma relação antipática.” 

Hugo von Hofmannsthal, escritor austríaco (1874-1929)

02 maio, 2016

Pétala nº 1437

“...a experiência que podemos ter na vida mais próxima do livre-arbítrio, é quando fazemos as coisas ao acaso. Não existe livre-arbítrio. Quando fazemos escolhas ao acaso continua tudo a ser pré-determinado, nós é que deixamos de reparar.” 

Norman Rush, escritor americano (1933-), in “Acasalamento”, Ed. Quetzal, 2015

01 maio, 2016

Pétala º 1436

“As pessoas dividem-se entre aquelas que poupam como se vivessem para sempre e aquelas que gastam como se fossem morrer amanhã.” 

Aristótelesfilósofo da Grécia Antiga (-384/-322)