30 abril, 2016

Pétala nº 1435

“O pudor é, talvez, a mais violenta, a mais iniludível das manifestações de sexualidade.” 

Agustina Bessa Luís, escritora portuguesa (1922-2019), in “Sibila”, Guimarães Ed., 1954

29 abril, 2016

Pétala nº 1434

"Se a liberdade significa alguma coisa, será sobretudo o direito de dizer às outras pessoas o que elas não querem ouvir.” 

George Orwell, escritor inglês (1903-50)

28 abril, 2016

Pétala nº 1433

“Amar é sempre um estado de audácia, de êxtase, situação de jogador que lança os seus dados e arrisca.” 

Agustina Bessa Luís, escritora portuguesa (1922-2019, )in “Sibila”, Guimarães Ed., 1954

27 abril, 2016

Pétala nº 1432

“A parte mais importante do progresso é o desejo de progredir.” 

Séneca, filósofo e escritor da Roma Antiga (-4/65)

26 abril, 2016

Pétala nº 1431

“O amor é um estado de lucidez e de vidência”. 

Agustina Bessa Luís, escritora portuguesa (1922-2019-),  in “Sibila”, Guimarães Ed., 1954

25 abril, 2016

Pétala nº 1430

“Todo o escritor que é original é diferente. Mas nem todo o que é diferente é original. A originalidade vem de dentro para fora. A diferença é ao contrário. A diferença vê-se, a originalidade sente-se. Assim, uma é fácil e a outra é difícil.” 

Vergílio Ferreira, escritor português (1916- 96).

24 abril, 2016

Pétala nº 1429

“Nunca se mata um homem que nada diz.” 

Chinua Achebe, escritor nigeriano (1930-2013), in “Quando tudo se desmorona”, Ed. Mercado de Letras, 2007

23 abril, 2016

Pétala nº 1428

”Há coisas encerradas dentro dos muros que, se saíssem de repente para a rua e gritassem, encheriam o mundo.” 

Federico García Lorca, poeta e dramaturgo espanhol (1898-1936)

22 abril, 2016

Pétala nº 1427

“No sorriso de uma pessoa que sabe que está a mentir há certos grupos de músculos do rosto que não são activados. Só ganham vida com a expressão de um sentimento verdadeiro. O sorriso de um mentiroso é defeituoso, insuficiente.” 

Ian McEwan, escritor inglês (1948- ), in “Sábado”, Ed. Gradiva, 2005

21 abril, 2016

Pétala nº 1426

“Não há nada no mundo que esteja mais bem repartido do que a razão: toda a gente está convencida de que a tem de sobra."
RENÉ DESCARTES, filósofo francês (1596-1650)

20 abril, 2016

Pétala nº 1425

“É um lugar comum da paternidade e da genética moderna que os pais têm pouca ou nenhuma influência sobre o carácter dos filhos. Nunca se sabe o que nos vai sair.” 

Ian McEwan, escritor inglês (1948- ), in “Sábado”, Ed. Gradiva, 2005

19 abril, 2016

Pétala nº 1424

“… no quadro sensível do poema vejo para onde vou, reconheço o meu caminho, o meu reino, a minha vida.” 

Sophia de Mello Breyner Andresen (1918-2004), in "Obra poética II", Círculo de Leitores, 1992

18 abril, 2016

Pétala nº 1423

“Quem não dorme de madrugada faz um ninho com os seus próprios medos.” 

Ian McEwan, escritor inglês (1948- ), in “Sábado”, Ed. Gradiva, 2005

17 abril, 2016

Pétala nº 1422

“Quem ama cuida.” 

Caetano Veloso, músico, cantor e escritor brasileiro (1942-)

16 abril, 2016

Pétala nº 1421

“Uma mentira, fina com um cabelo, perturba para sempre a ordem do mundo.” 

José Luís Peixoto, escritor português (1974-), in “Em teu ventre”, Ed. Quetzal, 2015

15 abril, 2016

Pétala nº 1420

“Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos”.

 Antoine de Saint-Exupéry, piloto e escritor francês (1900-44)


14 abril, 2016

Pétala nº 1419

“Uma mentira, mesmo que transparente, perturba o entendimento que os outros têm da realidade, leva-os a acreditar que é aquilo que não é.” 

José Luís Peixoto, escritor português (1974-), in “Em teu ventre”, Ed. Quetzal, 2015

13 abril, 2016

Pétala nº 1418

“Pequenas oportunidades são muitas vezes o começo de grandes empreendimentos.” 

Demóstenes, político e orador da Grécia Antiga (-384/-322)

12 abril, 2016

Pétala nº 1417

“Uma mentira baralha tudo aquilo em que toca, desequilibra o mundo. É por isso que uma mentira precisa sempre de mentiras novas para se suster.” 

José Luís Peixoto, escritor português (1974-), in “Em teu ventre”, Ed. Quetzal, 2015

11 abril, 2016

Pétala nº 1416

“Não penses para amanhã. Não lembres o que foi de ontem. A memória teve o seu tempo quando foi tempo de alguma coisa durar.”

Vergílio Ferreira, escritor português (1916-96)

10 abril, 2016

Pétala nº 1415

“Quem afunda a cruz à vida porá termo.” 

 Ian McEwan, escritor inglês (1948- ), in “A balada de Adam Henry”, Ed. Gradiva, 2015

09 abril, 2016

Pétala nº 1414

“Uma coisa é mostrar a um homem que ele está errado e outra coisa é instruí-lo com a verdade.” 

John Locke, filósofo inglês (1632-1704)

08 abril, 2016

Pétala nº 1413

“Ou recomeçamos a viver, a viver a sério, ou desistimos e aceitamos que vai ser uma tristeza daqui até ao fim.” 

Ian McEwan, escritor inglês (1948- ), in “A balada de Adam Henry ”, Ed. Gradiva, 2015

07 abril, 2016

Pétala nº 1412

“A vida é curta, mas nós tornamo-la ainda mais curta, desperdiçando tempo. 

Victor Hugo, poeta e estadista francês (1802-85)

06 abril, 2016

Pétala nº 1411

“Se a dor fosse apenas a expressão de outra coisa, seria uma maravilha. Mas infelizmente a vida não está organizada dessa forma tão lógica. A dor adiciona-se a tudo.” 

Philip Roth, escritor americano (1933-2018), in “A lição de anatomia”, Ed. D. Quixote, 2015

05 abril, 2016

Pétala nº 1410

“Dar um nome ao que nos destrói ajuda-nos a defendermo-nos.” 

Manuel Vasquez Montalbán, escritor espanhol (1939-2003)

04 abril, 2016

Pétala nº 1409

“A perspectiva de salvação dá cabo de nós”. 

Norman Rush, escritor americano (1933-), in “Acasalamento”, Ed. Quetzal, 2015

03 abril, 2016

Pétala nº 1408

“A leitura é uma necessidade biológica da espécie. Nenhum ecrã e nenhuma tecnologia conseguirão suprimir a necessidade de leitura tradicional.” 

Umberto Eco, escritor e filósofo italiano (1932-2016)

02 abril, 2016

Pétala nº 1407

“Há determinados lamaçais a evitar com as pessoas.” 

Norman Rush, escritor americano (1933-), in “Acasalamento”, Ed. Quetzal, 2015

01 abril, 2016

Pétala nº 1406

“Se o tédio fosse fatal, já o género humano teria deixado de existir.” 

Emanuel Wertheimer, filósofo alemão (1846-1916)