30 abril, 2014

Pétala nº 703

“… quando chegamos a velhos e percebemos que se nos está a acabar o tempo, dá-nos para imaginar que temos na mão o remédio de todos os males do mundo…”
 
José Saramago, escritor português (1922-2010), in “Todos os nomes”, Ed. Caminho, 1997
Prémio Nobel de Literatura, 1998

29 abril, 2014

Pétala nº 702

“Quem vive esperando, morre penando.”

Carlo Goldoni, dramaturgo italiano (1707-93)

28 abril, 2014

Pétala nº 701

“Não sabes nada da vida se crês que há mais alguma coisa para saber…”
 
José Saramago, escritor português (1922-2010), in “Todos os nomes”, Ed. Caminho, 1997
Prémio Nobel de Literatura, 1998

27 abril, 2014

Pétala nº 700

“Ser diplomata é discordar sem ser discordante”.

Millôr Fernandes, escritor brasileiro (1923-2012)

26 abril, 2014

Pétala nº 699

“… a pele é tudo quanto queremos que os outros vejam de nós, por baixo dela nem nós próprio conseguimos saber quem somos.”
 
José Saramago, escritor português (1922-2010), in “Todos os nomes”, Ed. Caminho, 1997
Prémio Nobel de Literatura, 1998

25 abril, 2014

Pétala nº 698

“A educação exige os maiores cuidados, porque influi sobre toda a vida.”
 
Séneca, filósofo da Roma Antiga (4AC-65DC)

24 abril, 2014

Pétala nº 697

“Quem somos nós para falar de consequências, se da fila interminável delas que incessantemente vêm caminhando na nossa direcçãoo apenas podemos ver a primeira.
 
José Saramago, escritor português (1922-2010), in “Todos os nomes”, Ed. Caminho, 1997
Prémio Nobel de Literatura, 1998

23 abril, 2014

Pétala nº 696

“Vivemos todos sob o mesmo céu, mas nem todos temos o mesmo horizonte.”
 
Konrad Adenauer, político alemão (1816-1987)

22 abril, 2014

Pétala nº 695

“A fama, ai de nós, é um ar que tanto vem como vai, é um cata-vento que tanto irá ao norte como ao sul…”
 
José Saramago, escritor português (1922-2010), in “Todos os nomes”, Ed. Caminho, 1997
Prémio Nobel de Literatura, 1998

21 abril, 2014

Pétala nº 694

“Pelo que fizeram, se hão-de condenar muitos, pelo que não fizeram, todos.”
 
António Vieira, padre e escritor português (1608-1697)

20 abril, 2014

Pétala nº 693

“Só os deuses mortos são deuses sempre.”
 
José Saramago, escritor português (1922-2010), in “Todos os nomes”, Ed. Caminho, 1997
Prémio Nobel de Literatura, 1998

19 abril, 2014

Pétala nº 692

“A primeira condição para a imortalidade é a morte.”

Stanislaw Jerzy Lec, poeta polaco (1909-66)

18 abril, 2014

Pétala nº 691

“… por muito que os velhos durem, a hora deles acabará sempre por chegar.”
 
José Saramago, escritor português (1922-2010), in “Todos os nomes”, Ed. Caminho, 1997
Prémio Nobel de Literatura, 1998

17 abril, 2014

Pétala nº 690

“Nunca devemos negociar por termos medo e nunca devemos ter medo de negociar.”
 
John Fitzgerald Kennedy, Presidente dos Estados Unidos da América (1917-1963)

16 abril, 2014

Pétala nº 689

“… a morte, quer por incompetência de origem quer por má-fé adquirida na experiência, não escolhe as suas vítimas consoante a duração das vidas que viveram…”.
 
José Saramago, escritor português (1922-2010), in “Todos os nomes”, Ed. Caminho, 1997
Prémio Nobel de Literatura, 1998

15 abril, 2014

Pétala nº 688

“O que nunca foi posto em questão nunca foi aprovado.”

Denis Diderot, filósofo francês (1713-84)

14 abril, 2014

Pétala nº 687

“Não temos ouvidos para escutar a voz de Deus.”

André Gide, escritor francês (1869-1951), in “Os moedeiros falsos”, Ed. Ambar, 2004
Prémio Nobel de Literatura, 1947

13 abril, 2014

Pétala nº 686

“Quando as coisas acontecem depressa demais, ninguém pode ter certeza de nada, de coisa nenhuma, nem de si mesmo.”
 
Milan Kundera, escritor checo (1929-)

12 abril, 2014

Pétala nº 685

“Há um bocado de cobardia em qualquer suicídio.”

André Gide, escritor francês (1869-1951), in “Os moedeiros falsos”, Ed. Ambar, 2004
Prémio Nobel de Literatura, 1947

11 abril, 2014

Pétala nº 684

“Posso perdoar, mas esquecer é outra coisa.”
 
Napoleão Bonaparte, líder político e militar francês (1769-1821)

10 abril, 2014

Pétala nº 683

“O tempo que dura uma vida humana não chega para aprender tudo.”
Jostein Gaarder, escritor norueguês (1952-), in “Olá! Está aí alguém?”, Ed. Presença, 1998

09 abril, 2014

Pétala nº 682

“Há certos defeitos que, bem aproveitados, brilham mais do que a própria virtude.”
 
La Rochefoucauld, escritor francês (1613-80)

08 abril, 2014

Pétala nº 681

“Nem sempre as coisas mais normais são tão normais como cremos.”
 
Jostein Gaarder, escritor norueguês (1952-), in “Olá! Está aí alguém?”, Ed. Presença, 1998

07 abril, 2014

Pétala nº 680

“Há certos acidentes na vida, dos quais só conseguimos sair bem se formos um tanto loucos.”
 
La Rochefoucauld, escritor francês (1613-80)

06 abril, 2014

Pétala nº 679

“A floresta modela a árvore.”
 
André Gide, escritor francês (1869-1951), in “Os moedeiros falsos”, Ed. Ambar, 2004
Prémio Nobel de Literatura, 1947

05 abril, 2014

Pétala nº 678

“Os sábios são os que mais buscam a sabedoria. Os tolos pensam tê-la encontrado.”
 
Napoleão Bonaparte, líder político e militar francês (1769-1821)

04 abril, 2014

Pétala nº 677

“Não se pode julgar a vida dos outros pelo exterior.”
 
André Gide, escritor francês (1869-1951), in “Os moedeiros falsos”, Ed. Ambar, 2004
Prémio Nobel de Literatura, 1947

03 abril, 2014

Pétala nº 676

“Palavras rebuscadas e roupas insinuantes raramente são associadas à virtude de verdade.”
 
Confúcio, sábio chinês (-551/-479)

02 abril, 2014

Pétala nº 675

“Não há ciúme sem amor.”
 
André Gide, escritor francês (1869-1951), in “Os moedeiros falsos”, Ed. Ambar, 2004
Prémio Nobel de Literatura, 1947

01 abril, 2014

Pétala nº 674

“O tolo possui uma grande vantagem sobre o homem de espírito; está sempre contente consigo mesmo.”
 
Napoleão Bonaparte, líder político e militar francês (1769-1821)