15 julho, 2024

Pétala nº 3826

"as palavras são armas, como metralhadoras"
(Sándor Márai, in  “Libertação”)


"(Não são as palavras que distorcem o mundo, é o medo e a vontade. As palavras são corpos transparentes, à espera de uma cor. O medo é a lembrança de uma dor do passado. A vontade é a crença num sonho do futuro. Não são as palavras que distorcem o mundo, é a maneira como entendemos o tempo, somos nós.)”
JOSÉ LUÍS PEIXOTO, escritor português (1974-), in “Em teu ventre”, Ed. Quetzal, 2015

“Se tivesse de dizer qual a maior invenção humana, diria: a palavra. É uma ferramenta fundamental na construção da nossa humanidade. É um motor de busca, um telescópio, um radar, um sensor para a grande pergunta que somos. E é a mediação para o encontro fundamental connosco mesmos, com o outro e com o Todo Outro que é Deus.”
JOSÉ TOLENTINO MENDONÇA , cardeal, teólogo e poeta português (1965-) em entrevista Christiana Martins, publicada na revista "E", do jornal Expresso de 22 Abril Dezembro 2023

“… para as coisas mais importantes da vida as palavras são muito poucas. O que é que podemos dizer sobre Deus? Nada. Eu, pelo menos, não consigo. O que é que podemos dizer sobre o amor? Quase nada. Não temos palavras para isso. O que é que podemos dizer acerca da morte, para além do óbvio? Nada. Mas em literatura é possível dizer um pouco mais.
Mesmo que não se use a palavra Deus, pode-se sentir o toque do que podemos chamar Deus. Pode-se descrever uma relação amorosa de maneira verdadeira. A literatura serve para dizer o que não se consegue dizer de outra maneira.”
JON FOSSE, romancista, dramaturgo, poeta norueguês (1959-), em entrevista a José Riço Direitinho, publicada na revista “Ípsilon” do jornal Público de 22 Março 2024.

"A vida é assim, está cheia de palavras que não valem a pena, ou que valeram e já não valem, cada uma que ainda formos dizendo tirará o lugar a outra mais merecedora, que o seria não tanto por si mesma, mas pelas consequências de tê-la dito."
JOSÉ SARAMAGO, escritor português (1922-2010)
Prémio Nobel de Literatura, 1998



Obras de MANUEL CARGALEIRO, ceramista e pintor português (1927-2024)


Boa semana! 

08 julho, 2024

Pétala nº 3825

"Walter Benjamin disse que um anjo nos recorda tudo o que esquecemos."
(Enrique Vila-Matas, in "Paris Nunca se Acaba")


“Não é por envelhecermos que esquecemos.”

“Uma lembrança nunca morre, apenas adormece.”

VALÉRIE PERRIN, escritora francesa (1967-), in "A breve vida das flores", Ed. Presença, 2022


"A memória é voluntária e o esquecimento também.”

"A minha maneira de lidar com a memória é confiar-lhe unicamente aquilo que ela depois tem orgulho em recordar.”
 
“Dizem que, à medida que envelhecemos, nos lembramos melhor dos primeiros anos. Eis uma das muitas e grandes ciladas que nos aguardam: a vingança senil.” 

JULIAN BARNES, escritor inglês (1946-), in “Amor & Cª”, Ed. Quetzal, 2023 


“… os velhos, como tirando isso não têm mais nada para fazer, contam o passado como ninguém. Não vale a pena procurar nos livros ou nos filmes: como ninguém.”

“… quando um velho morre é uma biblioteca que arde…”

VALÉRIE PERRIN, escritora francesa (1967-), in "os esquecidos de domingo", 2015, Ed. Presença, 202

(Fotos: PORTUGAL/Cascais - São Pedro do Estoril, 2024)

01 julho, 2024

Pétala nº 3824

“Quando começo a escrever nunca sei nada do que me vai chegar. 
É deixar-me ir até onde a história me levar.”
(Jon Fosse, in Ípsilon, 22 Março 2024)
 

"De que passado parecem fugir eles? Inseparáveis desde o dia em que se conheceram, quando Asle era tocador de violino e a sua música era como o canto do pai de Alida, sabem que só se têm um ao outro..."

“Para onde vamos, diz Alida 
Ora, quem sabe, diz Asle 
Vamos até onde chegarmos, diz ela 
Vamos para onde nos levar o caminho, diz ele”

"Temos de partir em breve, diz ele
Mas para onde, diz ela
Para Bjørgvin, diz ele
Mas como, diz ela
Navegamos, diz ele
Então precisamos de um barco, diz ela
Eu arranjei um barco, diz Asle
Vamos descansar um pouco primeiro, diz ela
Então só um pouquinho, diz ele"

“A vida começa agora, diz ela 
Agora vamos a navegar no mar da vida, diz ele 
Acho que não consigo adormecer, diz ela 
Mas podes ficar aí deitada a descansar, diz ele 
É bom estar aqui deitada, diz ela
É bom que te sintas bem, diz ele 
Sim, nós estamos bem, diz ela e escuta o vaivém do mar e a Lua brilha e a noite é como um dia estranho e o barco desliza em frente, em direcção ao Sul, ao longo da costa"

"Tudo é muito mais agradável a dois, diz ela"

JON FOSSE, romancista, dramaturgo, poeta norueguês  (1959-), in “Trilogia” (2014), Cavalo de Ferro Ed., 2021
Prémio Nobel de Literatura, 2023

(Diálogos encontradas nas 204 páginas do livro, aqui alinhados a meu gosto.)


"Trilogia é uma parábola de inspiração bíblica sobre o amor, o crime, o castigo e a redenção."
Três histórias - Vigília (2007), Os Sonhos de Olav (2012) e Fadiga (2014) - que se fundem numa única história misteriosa, comovente, fascinante, de leitura compulsiva.
A escrita sem pontuação de Jon Fosse, primeiro estranha-se, depois entranha-se. (Aconteceu-me o mesmo com a escrita de José Saramago. Comecei a ler "Memorial do Convento", estranhei, coloquei de lado... e por lá ficou anos a fio. Curiosa e furiosa comigo própria, um dia voltei a Saramago... e só parei na última página do último romance publicado pelo autor)

É belíssimo este romance. Uma pétala!
Eu, já decidi: vou ler tudo, tudo, o que  Jon Fosse já publicou e o que vier a publicar. 

(Foto net: fiordes da Noruega)