30 novembro, 2012

Pétala nº 185

“A experiência é uma noz, que Deus dá a partir quando já não se tem dentes.”
 
Autor desconhecido.

29 novembro, 2012

Pétala nº 184

“Democracia quer simplesmente dizer o desencanto do povo, pelo povo, para o povo.”
 
Oscar Wilde, escritor irlandês (1854-1900)

28 novembro, 2012

Pétala nº 183

“As únicas pessoas capazes de nos modificar somos nós mesmos."
 
Susanna Tamaro, escritora italiana (1957-), in “Querida Mathilda”, Ed. Presença, 1998

27 novembro, 2012

Pétala nº 182

“Aceita o conselho dos outros, mas nunca desistas da tua própria opinião.”
William Shakespeare, escritor inglês (1564-1616)

26 novembro, 2012

Pétala nº 181

“Tudo o que fazemos na vida acaba por recair sobre nós. Desde que vivamos o suficiente, isso acaba por acontecer.”
 
Cormac McCarthy, escritor americano (1933-), in “Este país não é para velhos”, Ed. Relógio d’Água, 2007

25 novembro, 2012

Pétala nº 180

“Tudo parece impossível até que seja feito.”

Nelson Mandela, estadista sul-africano (1918-2013)
Prémio Nobel da Paz, 1993

24 novembro, 2012

Pétala nº 179

“Se queremos fazer com que as pessoas deem atenção aos que dizemos, não levantamos a voz, baixamo-la: é isso que de facto prende a atenção.”
 
Julian Barnes, escritor inglês (1946-), in “O sentido do fim”, Ed. Quetzal, 2011

23 novembro, 2012

Pétala nº 178

“Quem sabe que não sabe é nobre; quem quer fazer crer que sabe o que não sabe é débil mental”.
 
Autor desconhecido.

22 novembro, 2012

Pétala nº 177

“O destino costuma estar ao virar da esquina. Como se fosse um gatuno, uma rameira ou um vendedor de lotaria: as suas três encarnações mais batidas. Mas o que não faz é visitas ao domicílio. É preciso ir atrás dele.”

Carlos Ruiz Zafón, escritor espanhol (1964-), in “A sombra do vento”, Ed. D. Quixote, 2004

21 novembro, 2012

Pétala nº 176

“O homem sem educação, por mais alto que o coloquem, será sempre um subalterno.”

Ramalho Ortigão, escritor português (1838-1915)

20 novembro, 2012

Pétala nº 175

“A dor do amor despedaçado é tão aguda! É um desespero que causa doença, uma desolação que nos deixa vazios.”
 
Rosa Montero, escritora espanhola (1951-), in “A louca da casa”, Ed. Asa, 2004

19 novembro, 2012

Pétala nº 174

“As declarações de amor são muito semelhantes às declarações de guerra; mal se fazem começam as hostilidades.”
 
Autor desconhecido.

18 novembro, 2012

Pétala nº 173

“Sempre que atiramos lama para cima dos outros, o chão foge-nos mais um bocadinho debaixo dos pés.”
 
Cormac McCarthy, escritor americano (1933-), in “Este país não é para velhos”, Ed. Relógio d’Água, 2007

17 novembro, 2012

Pétala nº 172

“A vitória tem mil pais, mas a derrota é órfã.”

John Fitzgerald Kennedy, presidente dos Estados Unidos da América (1917-1963)

16 novembro, 2012

Pétala nº 171

“Há um pânico que nos vem com a idade. Para começar ficamos mais lentos. Em tudo.”

Philip Roth, escritor norte-americano (1933-), in “A humilhação”, Ed. D. Quixote, 2011

15 novembro, 2012

Pétala nº 170

“O entendimento acha o que há; a vontade acha o que quer.”

António Vieira, padre e escritor português (1608-1697)

14 novembro, 2012

Pétala nº 169

“Concentra-te num único momento… se conseguires fazer funcionar um momento podes chegar aonde quiseres.”

Philip Roth, escritor norte-americano (1933-), in “A humilhação”, Ed. D. Quixote, 2011

13 novembro, 2012

Pétala nº 168

“Infeliz o homem que não tem quem o admoeste quando precisa.”

Juan Luis Vives, humanista espanhol (1492-1540)

12 novembro, 2012

Pétala nº 167

“A paixão é um equívoco puro”.

Rosa Montero, escritora espanhola (1951-), in "A louca da casa”, Ed. Asa, 2004

11 novembro, 2012

Pétala nº 166

“Hoje desaprendo o que tinha aprendido até ontem e que amanhã recomeçarei a aprender.”
 
Cecília Meireles, poetisa brasileira (1901-1964)

10 novembro, 2012

Pétala nº 165

“Nada tem uma razão válida para acontecer. Perde-se, ganha-se - tudo é capricho. A omnipotência do capricho. A probabilidade da reviravolta. Sim, a imprevisível reviravolta e o eu poder.”
 
Philip Roth, escritor norte-americano (1933-), in “A humilhação”, Ed. D. Quixote, 2011

09 novembro, 2012

Pétala nº 164

“Se julgarmos o amor pela maior parte dos seus efeitos, ele assemelha-se mais ao ódio do que à amizade.”
 
La Rochefoucauld, escritor francês (1613-1680)

08 novembro, 2012

Pétala nº 163

“Eu não tenho inimigos. Não permito tal coisa”.

Cormac McCarthy, escritor americano (1933-), in “Este país não é para velhos”, Ed. Relógio d’Água, 2007

07 novembro, 2012

Pétala nº 162

“Nunca é tempo perdido o tempo que nós perdemos a fazer aquilo que gostamos de fazer.”
 
Bertrand Russell, matemático e filósofo inglês (1872-1970)
 
(Enviada por Carlos Reys.)

06 novembro, 2012

Pétala nº 161

“As coisas importante – as coisas que dão solidez e sentido a uma existência – não estão à venda, vão-se conquistando passo a passo, lentamente, com perseverança e coerência. O dinheiro que as paga é o cansaço”.
 
Susanna Tamaro, escritora italiana (1957-), in “Querida Mathilda”, Ed. Presença, 1998

05 novembro, 2012

Pétala nº 160

“Uma paisagem conquista-se com as solas dos sapatos, não com as rodas de um automóvel.”
 
William Faulkner, escritor norte-americano (1897-1962)

04 novembro, 2012

Pétala nº 159

“… a morte também é leitora, por isso aconselho a que andem sempre com um livro na mão, porque, quando a morte chega e vê o livro, espreita para ver o que estamos a ler… e distrai-se.”
 
Rosa Montero, escritora espanhola (1951-), in “A louca da casa”, Ed. Asa, 2004

03 novembro, 2012

Pétala nº 158

“Adopte o ritmo da natureza. O segredo dela é a paciência.”

Ralph Waldo Emerson, escritor norte-americano (1803-1882)

02 novembro, 2012

Pétala nº 157

“Quando os ricos fazem a guerra, são sempre os pobres que morrem.” 

Jean-Paul Sartre, filósofo e escritor francês (1905-80)

01 novembro, 2012

Pétala nº 156

“Quem entender a minha música nunca mais será infeliz.”

Ludwig Beethoven, compositor alemão (1770-1827)