31 julho, 2017

Pétala nº 1893

“O fim da vida só há porque houve o começo dela.” 

Gilberto Gil, músico brasileiro (1942-)

30 julho, 2017

Pétala nº 1892

"Quem foi que um dia ousou lançar a um papel as letras ultrajantes da palavra cobardia, essa suprema afronta, esse insultante escarro, à face dos que querem morrer?!” 

Florbela Espanca, poetisa portuguesa (1894-1930), in “As máscaras do destino”, Livraria Bertrand, 1981

29 julho, 2017

Pétala nº 1891

“Quando eu nasci, as frases que hão-de salvaguardar a humanidade já estavam todas escritas, só faltava uma coisa – salvar a humanidade.” 
ALMADA NEGREIROS, artista plástico, poeta, ensaísta, romancista, dramaturgo português (1893-1970)

28 julho, 2017

Pétala nº 1890

“Que estranhos poderes de vidente têm os olhos da mãe”. 

Florbela Espanca, poetisa portuguesa (1894-1930), in “As máscaras do destino”, Livraria Bertrand, 1981

27 julho, 2017

Pétala nº 1889

“A leitura não deve ser mais do que um exercício para nos obrigar a pensar.” 

Edward Gibbon, historiador inglês (1737-94)

26 julho, 2017

Pétala nº 1888

“O mundo é dos vivos, os mortos têm o seu à parte.” 

Florbela Espanca, poetisa portuguesa (1894-1930), in “As máscaras do destino”, Livraria Bertrand, 1981

25 julho, 2017

Pétala nº 1887

“Não pode ser seu amigo quem exige seu silêncio.” 

Alice Walker, escritora norte-americana (1944-)

24 julho, 2017

Pétala nº 1886

“Tenho a certeza de que os mortos não voltam.” 

Florbela Espanca, poetisa portuguesa (1894-1930), in “As máscaras do destino”, Livraria Bertrand, 1981

23 julho, 2017

Pétala nº 1885

“A fé é uma visão das coisas que não se veem.” 

Italo Calvino, escritor italiano nascido em Cuba (1923-85)

22 julho, 2017

Pétala nº 1884

“As palavras são túmulos: estão vazias.”

Florbela Espanca, poetisa portuguesa (1894-1930)

21 julho, 2017

Pétala nº 1883

“Ciúmes é um sentimento inútil e não torna ninguém fiel a você.” 

Artur da Távola, advogado, escritor, professor e político brasileiro (1936-2008) 

(Pétala enviada por Tais Luso.)

20 julho, 2017

Pétala nº 1882

“A vida é um novelo que alguém emaranhou.” 

Fernando Pessoa, poeta português (1888-1935), in “Livro do desassossego”, Ed. Tinta da China, 2014

19 julho, 2017

Pétala nº 1881

“Se em um instante se nasce e um instante se morre, um instante é o bastante pra vida inteira.”

Cecília Meireles, jornalista, escritora e professora brasileira (1901-64)

18 julho, 2017

Pétala nº 1880

“Nunca durmo: vivo e sonho, ou antes, sonho em vida e a dormir, que também é vida.” 

Fernando Pessoa, poeta português (1888-1935), in “Livro do desassossego”, Ed. Tinta da China, 2014

17 julho, 2017

Pétala nº 1879

“Olhe as pessoas nos olhos.”

H. Jackson Brown, escritor norte-americano (1940-)

16 julho, 2017

Pétala nº 1878

“Não comungo, não comungarei nunca, não poderei, suponho, alguma vez comungar aquele conceito bastardo pelo qual somos, como almas, consequências de uma coisa material chamada cérebro, que existe, por condição, dentro de outra coisa material chamada crânio.” 

Fernando Pessoa, poeta português (1888-1935), in “Livro do desassossego”,  Ed. Tinta da China, 2014

15 julho, 2017

Pétala nº 1877

“O livro é um mudo que fala, um surdo que responde, um ego que guia, um morto que vive.” 

António Vieira, padre e escritor português (1608-1697)

14 julho, 2017

Pétala nº 1876

“O mundo é de quem não sente.” 

Fernando Pessoa, poeta português (1888-1935), in “Livro do desassossego”, Ed. Tinta da China, 2014

13 julho, 2017

Pétala nº 1875

“A literatura é um processo de libertação e, por conseguinte, aspira à liberdade.” 

Fernando Namora, médico e escritor português (1919-89)

12 julho, 2017

Pétala nº 1874

“A oportunidade é como o dinheiro, que, aliás, não é mais que uma oportunidade.” 

Fernando Pessoa, poeta português (1888-1935), in “Livro do desassossego”, Ed. Tinta da China, 2014

11 julho, 2017

Pétala nº 1873

“Minha mãe achava estudo a coisa mais fina do mundo. Não é. A coisa mais fina do mundo é o sentimento.” 

 Adélia Prado, poetisa, professora, filósofa e contista brasileira (1935-) 

(Pétala enviada por Tais Luso.)

10 julho, 2017

Pétala nº 1872

“Os motivos dos suicidas são sempre misteriosos.” 

Milan Kundera, escritor checo (1929-), in “A valsa do adeus”,Publicações Dom Quixote, 1989

09 julho, 2017

Pétala nº 1871

“O verbo ler não suporta o imperativo”. 

Gianni Rodari, jornalista, escritor e poeta italiano (1920-80)

08 julho, 2017

Pétala nº 1870

“O ciúme é como uma violenta dor de dentes.” 

Milan Kundera, escritor checo (1929-), in “A valsa do adeus”,Publicações Dom Quixote, 1989

07 julho, 2017

Pétala nº 1869

“Há pessoas que simplesmente aparecem em nossas vidas e nos marcam para sempre.” 

Cecília Meireles, jornalista, escritora e professora brasileira (1901-64)

06 julho, 2017

Pétala nº 1868

“O ciúme ocupa o espírito ainda mais completamente do que o trabalho intelectual apaixonado.” 

Milan Kundera, escritor checo (1929-), in “A valsa do adeus”,Publicações Dom Quixote, 1989

05 julho, 2017

Pétala nº 1867

“O escritor é aquela pessoa que tem mais dificuldade para escrever que as outras. “ 

Thomas Mann, escritor alemão (1875-1955)

04 julho, 2017

Pétala nº 1866

“Não há nada como o ciúme para absorver o ser humano por inteiro.” 

Milan Kundera, escritor checo (1929-), in “A valsa do adeus”,Publicações Dom Quixote, 1989

03 julho, 2017

Pétala nº 1865

“O conhecimento do próximo tem isto de especial: passa necessariamente pelo conhecimento de si mesmo.” 

Italo Calvino, escritor italiano nascido em Cuba (1923-85)

02 julho, 2017

Pétala nº 1864

“O temperamento de um homem é decidido pelo que forem as suas manhãs.” 

Milan Kundera, escritor checo (1929-), in “A valsa do adeus”,Publicações Dom Quixote, 1989

01 julho, 2017

Pétala nº 1863

“É preciso fazer compreender à criança que a leitura é o mais movimentado, o mais variado, o mais engraçado dos mundos.” 

Alceu Amoroso Lima, crítico literário, professor, pensador, escritor e líder católico brasileiro (1893- 1983)