30 junho, 2013

Pétala nº 398

“A poesia é uma água à qual podemos pedir a sede”.

Jean-Yves Masson, escritor francês (1962-)

29 junho, 2013

Pétala nº 397

“Amar não é de modo algum olharmos uns para os outros, mas antes olharmos juntamente na mesma direcção.”
 
Antoine de Saint-Exupéry, escritor-aviador francês (1900-44), in “Terra dos homens”, Ed. Vega, 1995

28 junho, 2013

Pétala nº 396

“Nos rios, a água que tocamos é a última que passou e a primeira da que está chegando: o mesmo acontece com o tempo presente.”
 
Leonardo da Vinci, cientista, inventor, pintor, escritor italiano (1452-1519)

27 junho, 2013

Pétala nº 395

“A verdade não é de forma nenhuma o que se demonstra é aquilo que simplifica.”
 
Antoine de Saint-Exupéry, escritor-aviador francês (1900-44), in “Terra dos homens”, Ed. Vega, 1995

26 junho, 2013

Pétala nº 394

“Quem sabe amar sabe morrer.”

Victor Hugo, escritor francês (1802-85)

25 junho, 2013

Pétala nº 393

“Porquê odiarmos? Solidários somos, transportados pelo mesmo planeta, tripulação da mesma nave. E se é bom que as civilizações se defrontem a fim de fomentarem sínteses novas, monstruoso é elas devorarem-se mutuamente.”
 
Antoine de Saint-Exupéry, escritor-aviador francês (1900-44), in “Terra dos homens”, Ed. Vega, 1995

24 junho, 2013

Pétala nº 392

“O homem pode tanto quanto sabe.”
 
Francesco Bacone, filósofo inglês (1561-1626)

23 junho, 2013

Pétala nº 391

“A verdade para o homem é aquilo que faz dele um homem.”
 
Antoine de Saint-Exupéry, escritor-aviador francês (1900-44), in “Terra dos homens”, Ed. Vega, 1995

22 junho, 2013

Pétala nº 390

“Passe ou não passe por ti o tempo, serás jovem enquanto confundires a verdade com os sonhos, medires o teu entusiasmo pelos teus desejos e colheres alegrias nas tuas esperanças.”
 
Autor desconhecido.

21 junho, 2013

Pétala nº 289

“Só o espírito, quando sopra sobre a argila, pode criar o Homem.”
 
Antoine de Saint-Exupéry, escritor-aviador francês (1900-44), in “Terra dos homens”, Ed. Vega, 1995

20 junho, 2013

Pétala nº 288

“A poesia e a arte em geral foi, é e sempre será, na forma mais pura e estrita, um problema do indivíduo”.
 
E.E. Cummings, poeta inglês (1894- 962)

19 junho, 2013

Pétala nº 287

"… os bens da terra escapam-se-nos por entre os dedos como a areia fina do deserto."
 
Antoine de Saint-Exupéry, escritor-aviador francês (1900-44), in “Terra dos homens”, Ed. Vega, 1995

18 junho, 2013

Pétala nº 286

“A poesia é qualquer coisa que pode significar uma mudança na respiração.”
 
Paul Celan, poeta alemão (1920-70)

17 junho, 2013

Pétala nº 285

"… só há uma verdadeira riqueza: a das relações humanas."
 
Antoine de Saint-Exupéry, escritor-aviador francês (1900-44), in “Terra dos homens”, Ed. Vega, 1995

16 junho, 2013

Pétala nº 284

“Uma grande dor não se apaga. Mas se atenua, se modifica através do tempo, numa grande e enriquecedora experiência.”
 
Autor desconhecido.

15 junho, 2013

Pétala nº 283

“Aprende antes de morrer.”

Philip Roth, escritor norte-americano (1933-2018), in “A mancha humana”, Ed. D. Quixote, 2004

14 junho, 2013

Pétala nº 282

“O amor recíproco entre quem aprende e quem ensina é o primeiro e mais importante degrau para se chegar ao conhecimento.”
 
Erasmo, humanista holandês (1469-1536)

13 junho, 2013

Pétala nº 281

“…compreender as pessoas não tem nada a ver com a vida. O não as compreender é que é a vida, não compreender as pessoas, não as compreender, e depois, depois de muito repensar, voltar a não as compreender. É assim que sabemos que estamos vivos: não compreendemos.”
 
Philip Roth, escritor norte-americano (1933-), in “Pastoral americana”, Ed. D. Quixote, 1999

12 junho, 2013

Pétala nº 280

“A partir do momento em que o homem pratica o crime, entra-lhe o castigo no coração.”
 
Hesíodo, poeta da Grécia Antiga (séc. 7 a.C.)

11 junho, 2013

Pétala nº 279

“Falemos um pouco mais da morte e do desejo – compreensivelmente quando se envelhece um desejo desesperado – de iludir a morte, de lhe resistir, de recorrer a todos os meios para se ver a morte de qualquer forma desde que não com clareza.”
 
Philip Roth, escritor norte-americano (1933-2018), in “Pastoral americana”, Ed. D. Quixote, 1999

10 junho, 2013

Pétala nº 278

“O maior erro que podemos cometer é estarmos constantemente a recear cometer algum erro.”
 
Autor desconhecido.

09 junho, 2013

Pétala nº 277

“Que necessidade tem um homem de ver o seu rumo, se afinal de contas não há modo de lhe fugir?”
 
Cormac McCarthy, escritor norte-americano (1933- ), in “Nas trevas exteriores”, Ed. Relógio d’Água, 2011

08 junho, 2013

Pétala nº 276

“Desventurado é aquele que por tal se julga.”
 
Séneca, filósofo da Roma Antiga (-4/65)

07 junho, 2013

Pétala nº 275

“A tragédia do homem que não está preparado para a tragédia – é esta a tragédia de todos os homens.”

Philip Roth, escritor norte-americano (1933-2018), in “Pastoral americana”, Ed. D. Quixote, 1999

06 junho, 2013

Pétala nº 274

“A imprensa é a imensa e sagrada locomotiva do progresso.”
 
Victor Hugo, escritor francês (1802-1885)

05 junho, 2013

Pétala nº 273

“Acho que as pessoas sãs as mesmas desde o dia em que Deus fez a primeira”.
 
Cormac McCarthy, escritor norte-americano (1933- ), in “Filho de Deus”, Ed. Relógio d’Água, 1994

04 junho, 2013

Pétala nº 272

“Os homens preferem geralmente o engano, que os tranquiliza, à incerteza, que os incomoda.”
 
Mariano da Fonseca, escritor e filósofo brasileiro (1773-1848)

03 junho, 2013

Pétala nº 271

“… fui prescindindo, prescindindo, prescindindo sempre até que descobri na solidão uma espécie de liberdade…”
 
Philip Roth, escritor norte-americano (1933-), in “O fantasma sai de cena”, Ed. D. Quixote, 2008

02 junho, 2013

Pétala nº 270

“Há muitas razões para duvidar e uma só para crer.”
 
Carlos Drummond de Andrade, escritor e poeta brasileiro (1902-1987)

01 junho, 2013

Pétala nº 269

“O homem que tem o domínio das palavras, o homem que toda a sua vida inventa histórias, acaba, depois de morto, por ser lembrado, quando muito, por uma história inventada a seu respeito.”
 
Philip Roth, escritor norte-americano (1933-), in “O fantasma sai de cena”, Ed. D. Quixote, 2008