30 abril, 2021

Pétala nº 3257

“Escrever é motivação pessoal, é vocação profissional. Escrever transpira cultura e cultura é o suor do saber.” 
DOUGLAS MELO, conhecido no seu blogue "DOUG-BLOGcomo  Doug, é um jornalista, escritor, blogueiro, professor/PhD (Philosophiæ Doctor) brasileiro (1970-)

29 abril, 2021

Pétala nº 3256

"Dançar é sentir, sentir é sofrer, sofrer é amar... Tu amas, sofres e sentes. Dança!" 

ISADORA DUNCAN, coreógrafa e bailarina norte-americana, considerada a precursora da dança moderna (1877-1927) 


"Não é o ritmo nem os passos que fazem a dança, mas a paixão que vai na alma de quem dança."

AUGUSTO BRANCO, pseudónimo de Nazareno Vieira de Souza, poeta e escritor brasileiro (1980-)





(Hoje, Dia Mundial da DANÇA!)



(colagem com fotos da net)


28 abril, 2021

Pétala nº 3255

“Como toda a gente só disponho de três meios para avaliar a existência humana: o estudo de nós próprios, o mais difícil e o mais perigoso, mas também o mais fecundo dos métodos; a observação dos homens, que na maior parte dos casos fazem tudo para nos esconder os seus segredos ou para nos convencer de que os têm; os livros, com os erros particulares de perspectiva que nascem entre as suas linhas.” 
MARGUERITE YOURCENAR, (pseudónimo de Marguerite Cleenewerck de Crayencour), escritora francesa (1903-87), in “Memórias de Adriano”, Ed. Ulisseia, 1991

27 abril, 2021

Pétala nº 3254

“Se não há «por muito tempo», nem para «o resto da nossa vida», nem «de hoje em diante», mas apenas existe «agora», pois bem, é ao momento presente que é preciso dar graças...” 
ERNEST HEMINGWAY, escritor norte-americano (1899-1961), in “Por quem os sinos dobram”, Círculo de Leitores”, 1981 
Prémio Nobel de Literatura, 1954

26 abril, 2021

Pétala nº 3253

“Liberdade é pouco. O que eu desejo ainda não tem nome.”
CLARICE LISPECTOR, escritora e jornalista brasileira nascida na Ucrânia (1920-77)

25 abril, 2021

Pétala nº 3252


“ Aqui, onde o coração reclama uma pátria melhor,
volto ao lugar das palavras que nunca calei, por saber 
que o silêncio se articula na errância da voz e que nele cabe
a solidária multidão que ama, por inteiro, a liberdade. 
A boca sabe-me, inesperadamente, a sangue, em nome 
daqueles que desistiram do sonho, sem remorsos, à margem 
da esperança. Tardei a encontrar o exótico perfume
com que alucinei os dias e as noites, onde, de um trago só,
bebi a própria sede, guardada no barro da memória. 
Agora, sou dos que medem o desassossego dos lábios pelo silente 
sobrevoar dos pássaros, rente à coragem ou às lágrimas. 
As minhas mãos se dão com a inquieta força de quem vive
ancorado ao fascínio de ter no olhar um horizonte livre, 
tão límpido, como a luz transfigurada das manhãs."

GRAÇA PIRES, poetisa portuguesa (1946-), in "Poemas escolhidos 1990-2011"


(imagem Pinterest)

24 abril, 2021

Pétala nº 3251

“O meu passatempo favorito é deixar passar o tempo, ter tempo, aproveitar o meu tempo, perder tempo, viver a contratempo."
FRANÇOISE SAGAN (pseudónimo de Françoise Quoirez), escritora francesa (1935-2004)

23 abril, 2021

Pétala nº 3250

“Para mim o ser humano é a soma daquilo que viveu e do que leu. E o que lemos ajuda-nos a compreender o que vivemos. É uma espécie de enzima, de levedura, que faz com que o que vivemos fermente. (…) Os livros à mistura com a memória produzem uma fermentação, que é algo pessoal. É impossível digerir bem o resultado da vida se não houver livros que o permitam.”

ARTURO PÉREZ-REVERTE, escritor espanhol (1951, em entrevista a Luciana Leiderfarb, publicada na revista "E", do jornal Expresso de 29 janeiro 2021



(Hoje, Dia Mundial do LIVRO!)

(foto net)

22 abril, 2021

Pétala nº 3249

“O pecado é uma coisa que fica estampada no rosto de um homem. Não se pode ocultar. As pessoas falam às vezes de vícios secretos. Isso são coisas que não existem. Se um desgraçado de um homem tiver um vício, este é visível nas comissuras dos lábios, no descair das pálpebras, até na forma das mãos.” 
OSCAR WILDE, escritor, poeta, dramaturgo irlandês (1854-1900), in “O retrato de Dorian Gray” “ Ed. Vega, 2000

21 abril, 2021

Pétala nº 3248

“Duas verdades em que os homens em geral nunca acreditarão: a primeira, a de não saber nada; a segunda, a de não ser nada. Acrescento a terceira, que depende muito da segunda, a de não ter nada a esperar depois da morte.” 
GIACOMO LEOPARDI, poeta e ensaísta italiano (1798-1837)

20 abril, 2021

Pétala nº 3247

“A tristeza desaparece com o sol. É como o nevoeiro.” 
ERNEST HEMINGWAY, escritor norte-americano (1899-1961), in “Por quem os sinos dobram”, Círculo de Leitores”, 1981 
Prémio Nobel de Literatura, 1954

19 abril, 2021

Pétala nº 3246

“Era uma vez um rapaz que amava uma rapariga, e o riso dela era uma pergunta que ele queria passar a vida inteira a responder.” 
NICOLE KRAUSS, escritora norte-americana (1974-) in “A história do amor”, Ed. Dom Quixote, 2006

18 abril, 2021

Pétala nº 3245

Era inevitável: o cheiro das amêndoas amargas recordava-lhe sempre o destino dos amores contrariados. O doutor Juvenal Urbino sentiu-o assim que entrou na casa, ainda mergulhada em penumbra, onde fora de urgência para tratar um caso que, para ele, já tinha deixado de ser urgente há muitos anos. O refugiado antilhano Jeremiah de Saint-Amour, inválido de guerra, fotógrafo de crianças e o seu mais tolerante adversário de xadrez, tinha-se posto a salvo das inquietações da memória com um defumador de cianeto de ouro.”

Primeiro parágrafo do romance "O amor nos tempos da cólera", de GABRIEL GARCÍA MÁRQUEZ, escritor colombiano (1927-2014)
Prémio Nobel de Literatura, 1982


Inicio hoje a publicação de primeiros parágrafos que sublinhei e guardei na caixinha das boas e inesquecíveis leituras.
Se recorda algum  primeiro parágrafo, compartilhe aqui. Eu agradeço.

17 abril, 2021

Pétala nº 3244

“Ninguém precisa de perder o norte – a vida já é suficientemente confusa.” 
PHILIP ROTH, escritor americano (1933-2018 ), in “O professor do desejo”, Ed. D. Quixote, 2020

16 abril, 2021

Pétala nº 3243

“Há noites em que se tem saudades de tudo. 
Essas saudades insinuam-se nos nossos sonhos 
e tanto sonhamos com a aflição de alguém em fuga 
ou com o desgosto de um traição, como sonhamos 
com uma felicidade desconhecida que não sabemos 
de onde vem. Neste caso, quando acordamos,
ainda sentimos no ar o perfume de quem passou pelo nosso sono.”

Aguarela e poema de LUIS RODRIGUEShttps://brancasnuvensnegras.blogspot.com/


(Obrigada, Luis. Muito obrigada!)

15 abril, 2021

Pétala nº 3242

“A morte é uma vitória, e, quando se viveu bem, o caixão é um arco de triunfo.” 
JOSÉ MARTÍ (José Julián Martí Pérez), político, filósofo, poeta cubano (1853-1895)

14 abril, 2021

Pétala nº 3241

“A memória é uma armadilha, pura e simples, que altera, e subtilmente reorganiza o passado, de forma a se encaixar no presente.” 
MARIO VARGAS LLOSA, escritor peruano (1936-), in “Cinco esquinas”, Ed. Quetzal, 2016 
Prémio Nobel de Literatura, 2010

13 abril, 2021

Pétala nº 3240

“Quem não quer pensar, é fanático; quem não pode pensar, é idiota; quem não ousa pensar, um cobarde.” 
FRANCIS BACON, filósofo inglês (1561-1626)

12 abril, 2021

Pétala nº 3239

“É difícil descobrir nas faces dos velhos as feições que tinham em jovens. Às vezes nem sequer conseguimos pensar que tiveram uma juventude.” (Crónica: "Um estranho amor")

ELENA FERRANTE, pseudónimo de uma escritora italiana cuja identidade é mantida secreta (1943-), in “Crónicas do mal de amor”, Ed. Relógio d’Água, 2016

11 abril, 2021

Pétala nº 3238

"Qual seria a sua idade se você não soubesse quantos anos tem?
CONFÚCIO, sábio chinês (-551/-479)




(foto net)

10 abril, 2021

Pétala nº 3237

“Amar é... 
sorrir por nada e ficar triste sem motivos 
é sentir-se só no meio da multidão, 
é o ciúme sem sentido, 
o desejo de um carinho; 
é abraçar com certeza e beijar com vontade, 
é passear com a felicidade, 
é ser feliz de verdade! 

ALBERT CAMUS, escritor, filósofo, jornalista franco-argelino (1913-1960) 
Prémio Nobel de Literatura, 1957

09 abril, 2021

Pétala(s) nº 3236

“A simplicidade não pode ser complicada... Alguns de tanto que a querem mostrar, rebuscam e se atrapalham. Ela só vale se for DE VERDADE!” 

“… a simplicidade, é ser humilde, não ser arrogante, não se julgar acima de ninguém. E, acima de tudo, rejeitar extravagâncias.” 

 “A beleza está nas coisas mais simples... como uma pétala!” 

“… o simples não é para todos. Porque dá trabalho, conquista-se aos poucos.” 

"A beleza está na simplicidade e na autenticidade."

"A simplicidade tem que ser naturalmente espontânea, aí está sua beleza."


Amigo(a), 
sugiro que depois de ler a pétala do dia volte à do dia anterior. Isto porque outras pétalas inspiradoras poderão estar espalhadas nos comentários. Estas foram colhidas na Pétala nº 3233, da passada terça-feira. Obrigada!

FELIZ 
FIM-DE-SEMANA

08 abril, 2021

Pétala nº 3235

"Seja humilde, pois até o sol com toda a sua grandeza se põe e deixa a lua brilhar." 
BOB MARLEY, cantor e compositor jamaicano (1945-1981)

07 abril, 2021

Pétala nº 3234

“Se tivesse que dividir o mundo em dois grandes núcleos de pessoas, não seria entre bons e maus. Seria entre os que sabem que vão morrer e os que não o sabem. As pessoas que sabem que vão morrer são melhores, até nas suas crueldades e nas suas violências – são realmente humanas. Os que acreditam que não vão morrer são estupidamente irresponsáveis, só prejudicam a humanidade, e a atualidade demonstra-o claramente. Saber que vou morrer talvez tenha sido o que, paradoxalmente, me manteve vivo.”
ARTURO PÉREZ-REVERTE, escritor espanhol (1951-), em entrevista a Luciana Leiderfarb, publicada na revista "E", do jornal Expresso de 29 janeiro 2021

06 abril, 2021

Pétala(s) nº 3233

“Que ninguém se engane: só se consegue a simplicidade através de muito trabalho.” 
CLARICE LISPECTOR, escritora e jornalista brasileira nascida na Ucrânia (1920-77)

“A simplicidade é a essência do grande, do verdadeiro e do belo na arte.” 
GEORGE SAND, pseudónimo de Amandine Aurore Lucile Dupin, escritora francesa (1804-76) 

“A simplicidade é a chave da verdadeira elegância.” 
COCO CHANEL (Gabrielle Bonheur Chanel), estilista francesa e fundadora da marca Chanel (1883-1971)

05 abril, 2021

Pétala nº 3232

“Quando não há solução, enfrentamos a realidade, fazemo-nos homens. Adaptamo-nos. Sobrevivemos. Vencemos, lutamos, ou pelo menos somos derrotados em grande no combate que é a vida.“ 
AFONSO REIS CABRAL, escritor português (1990), in “O meu irmão”, Ed. Leya, 2014

04 abril, 2021

Pétala nº 3231


PÁSCOA
Um dia de poemas na lembrança
(Também meus) 
Que o passado inspirou. 
A natureza inteira a florir 
No mais prosaico verso. 
Foguetes e folares, 
Sinos a repicar, 
E a carícia lasciva e paternal 
Do sol progenitor 
Da primavera. 
Ah, quem puder 
Ser de novo 
Um dos felizes 
Desta aleluia! 
Sentir no corpo a ressurreição. 
O coração, 
Milagre do milagre da energia, 
A irradiar saúde e alegria 
Em cada pulsação.

MIGUEL TORGA, porta português (1907-95), in "Poesia completa", Ed. Dom Quixote, 2000

FELIZ PÁSCOA, 
EM PAZ E HARMONIA


Obrigada, meu querido amigo!

(foto net)

03 abril, 2021

Pétala nº 3230

“Não preciso de dez mandamentos para viver, me basta só um: não interferir na vida dos outros.” 
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE, escritor brasileiro (1902-87)

02 abril, 2021

Pétala nº 3229

“….por vezes, quando gostamos muito, muito de alguém, queremos encontrar uma maneira de descrever como os nossos sentimentos são grandes…mas…o amor não é coisa fácil de medir…” 
SAM McBRATNEY, escritor da Irlanda do Norte (1943-2020) in "Adivinha quanto eu gosto de ti", 1994

01 abril, 2021

Pétala nº 3228


"Um minimercado. Fila para a caixa. Diálogo entre o jovem que segura uma grande embalagem de comida para cão, e a mulher à sua frente na fila. 
MULHER: Tem um cão, é? 
JOVEM: Se eu tenho um cão. 
MULHER: (Sorri) Sim. 
JOVEM: Não, minha senhora. 
MULHER: (Ligeiramente desconcertada) Ah. 
JOVEM: Não tenho nenhum cão. 
MULHER: Certo. 
JOVEM: Estes biscoitos são para mim. 
MULHER: Para si?
JOVEM: Sim, minha senhora. É uma dieta. 
MULHER: Uma dieta? 
JOVEM: Sim, minha senhora. Bom. Provavelmente, eu nem sequer lhe devia contar isto. Já experimentei algumas vezes, e deixe-me dizer-lhe que resulta bastante bem. Uma pessoa não chega propriamente a comer. Dá-me a fome? Meto uns quantos biscoitos pela goela abaixo. (...) Acordo de noite? Não desço à cozinha para esvaziar o frigorífico. Tenho um pratinho destes biscoitos na mesa de cabeceira, e é só estender o braço e engolir uns poucos. É questão de ter sempre um copo cheio de água ali à mão. Da última vez, perdi doze quilos num mês. Recomendo este método a qualquer pessoa. (...)  É claro que, assim como outra coisa qualquer, é preciso saber usar a cabeça. Uma vez, acordei no hospital. (…) 
Ao fim de alguns dias uma pessoa já nem quer outra coisa. Recomendo este método a toda a gente, sem dúvida. (...)
MULHER: Mas você disse que acordou no hospital. O que é que lhe aconteceu? Teve uma reação alérgica ou quê? 
JOVEM: Ah, não, minha senhora. Não foi nada desse género. Estava agachado no meio da rua, a lamber os tomates, e veio um carro e atropelou-me. Tenha cuidado consigo. Ouviu?"

CORMAC McCKARTHY, escritor norte-americano (1933-), in "O Conselheiro", Ed. Relógio d'Água, 2013


(Hoje, Dia das MENTIRAS!)

(foto net)