30 junho, 2016

Pétala nº 1496

“A história pertence aos que a prolongam, não aos que a sequestram.” 

Manuel Vázquez Montalbán, escritor espanhol (1939-2003)

29 junho, 2016

Pétala nº 1495

“A aparência não engana. Ou engana um olho desatento, ou engana quem quer deixar-se enganar.”

Francesco Alberoni, sociólogo e escritor italiano (1929-), in “O optimismo”, ed. Bertrand, 1995

28 junho, 2016

Pétala nº 1494

“O homem seria digno de lástima se não se amasse a si mais do que ao próximo.”

Emanuel Wertheimer, filósofo alemão (1846-1916)

27 junho, 2016

Pétala nº 1493

“Em geral o invejoso encobre a sua inveja com a máscara da justiça.” 

Francesco Alberoni, sociólogo e escritor italiano (1929-), in “O optimismo”, ed. Bertrand, 1995

26 junho, 2016

Pétala nº 1492

“A vida é uma tragédia quando vista de perto, mas uma comédia quando vista de longe” 

Charlie Chaplin, comediante britânico (1889-1977)

25 junho, 2016

Pétala nº 1491

"Para se ser bem-sucedido numa dificuldade é preciso uma extraordinária motivação e uma enorme tenacidade.” 

Francesco Alberoni, sociólogo e escritor italiano (1929-), in “O optimismo”, ed. Bertrand, 1995

24 junho, 2016

Pétala nº 1490

"O talento ganha jogos, mas a inteligência e o trabalho em equipa ganham campeonatos.” 

Michael Jordan, ex-jogador profissional de basquetebol norte-americano (1963-)

23 junho, 2016

Pétala nº 1489

“A coragem é a virtude do começo. A paciência é a virtude do recomeço.” 

Francesco Alberoni, sociólogo e escritor italiano (1929-), in “O optimismo”, ed. Bertrand, 1995

22 junho, 2016

Pétala nº 1488

“A violência, seja qual for a maneira como ela se manifesta, é sempre uma derrota.” 

Jean-Paul Sartre, filósofo e escritor francês (1905-80)

21 junho, 2016

Pétala nº 1487

“Viver significa prever, calcular, dominar o stress.” 

Francesco Alberoni, sociólogo e escritor italiano (1929-), in “O optimismo”, ed. Bertrand, 1995

20 junho, 2016

Pétala nº 1486

“O olhar educa-se.”

António Filipe Pimentel, director do Museu Nacional de Arte Antiga, Portugal.

19 junho, 2016

Pétala nº 1485

“A verdadeira cultura, a útil, é sempre uma síntese entre o saber acumulado e a observação incansável da vida que é vivida.” 

Francesco Alberoni, sociólogo e escritor italiano (1929-), in “O optimismo”, ed. Bertrand, 1995

18 junho, 2016

Pétala nº 1484

“Ninguém pode achar que falhou a sua missão neste mundo, se aliviou o fardo de outra pessoa.”

Charles Dickens, escritor inglês (1812-70)

17 junho, 2016

Pétala nº 1483

“O jogo de futebol é uma metáfora da vida.” 

Francesco Alberoni, sociólogo e escritor italiano (1929-), in “O optimismo”, ed. Bertrand, 1995

16 junho, 2016

Pétala nº 1482

“Estou firmemente convencido que só se perde a liberdade por culpa da própria fraqueza.” 

Gandhi, líder espiritual indiano (1869-1948)

15 junho, 2016

Pétala nº 1481

”O vil é um medroso que esconde o seu medo. Face aos poderosos é servil, humilha-se.” 

Francesco Alberoni, sociólogo e escritor italiano (1929-), in “O optimismo”, ed. Bertrand, 1995

14 junho, 2016

Pétala nº 1480

“Aos amigos pede-se a verdade e o bom conselho, não o alarmismo e a crueldade.” 

 Pedro Mexia, poeta, cronista e crítico literário português (1972-)

13 junho, 2016

Pétala nº 1479

“O vil esconde o seu medo. Esconde-se e explora-o para tirar dele vantagens e poder, para fazer mal aos outros e ficar ele a ganhar.” 

Francesco Alberoni, sociólogo e escritor italiano (1929-), in “O optimismo”, ed. Bertrand, 1995

12 junho, 2016

Pétala nº 1478

“Não é o sofrimento das crianças que se torna revoltante em si mesmo, mas sim que nada justifica tal sofrimento.” 

Albert Camusescritor, filósofo, jornalista franco-argelino (1913-1960)
Prémio Nobel de Literatura, 1957

11 junho, 2016

Pétala nº 1477

“Normalmente, a pessoa que não ajuda os outros não só é egocêntrica, como também está cheia de inveja. Uma inveja vigilante, sempre pronta a saltar.” 

Francesco Alberoni, sociólogo e escritor italiano (1929-), in “O optimismo”, ed. Bertrand, 1995

10 junho, 2016

Pétala nº 1476

“Os políticos dificilmente pedem desculpa às pessoas a quem de alguma maneira ofenderam.” 

José Saramago, escritor português (1922-2010) 
Prémio Nobel de Literatura, 1998

09 junho, 2016

Pétala nº 1475

“Há homens que conseguem sempre valorizar os outros. Há outros que só se valorizam a si mesmos.”

Francesco Alberoni, sociólogo e escritor italiano (1929-), in “O optimismo”, ed. Bertrand, 1995

08 junho, 2016

Pétala nº 1474

“A intenção de nunca enganar torna-nos vulneráveis ao engano.” 

François de La Rochefoucauld, escritor francês (1613-80)

07 junho, 2016

Pétala nº 1473

“A vida é um processo contínuo de adaptação a novas situações, imprevistas e imprevisíveis.”

Francesco Alberoni, sociólogo e escritor italiano (1929-), in “O optimismo”, ed. Bertrand, 1995

06 junho, 2016

Pétala nº 1472

“A desigualdade dos direitos é a primeira condição para que haja direitos.” 

Friedrich Nietzche, filósofo alemão (1844-1900)

05 junho, 2016

Pétala nº 1471

“O optimismo e o pessimismo não são apenas duas atitudes em relação às dificuldades e ao futuro. São também duas formas diferentes de nos relacionarmos connosco próprios e com os outros seres humanos.” 

Francesco Alberoni, sociólogo e escritor italiano (1929-), in “O optimismo”, ed. Bertrand, 1995

04 junho, 2016

Pétala nº 1470

“Um sonho é um escrito, e muitos escritos são mais do que sonhos.” 

Umberto Eco, escritor italiano (1932-2016)

03 junho, 2016

Pétala nº 1469

“Tudo o que se protege verdadeiramente exclui o fingimento.” 

 Agustina Bessa-Luís, escritora portuguesa (1922-), in “Adivinhas de Pedro e Inês”, ed. Guimarães & Cª., 1983

02 junho, 2016

Pétala nº 1468

“Eu acho que o segredo da nossa personalidade está naquilo que nós ignoramos de nós próprios. Quando pretendemos racionalizar, as coisas escapam-nos.” 

Natália Correia, poetisa portuguesa (1923-93)

01 junho, 2016

Pétala nº 1467

“A impressão que pode causar a beleza humana é semelhante a um choque, um desmaio dos sentidos que os santos relacionam com o êxtase.” 

Agustina Bessa-Luís, escritora portuguesa (1922-2019), in “Adivinhas de Pedro e Inês”, ed. Guimarães & Cª., 1983