31 outubro, 2017

Pétala nº 1985

“Esperamos demasiado do futuro – na esperança de que ele se oponha ao presente.” 

Julian Barnes, escritor inglês (1946-), in “O ruído do tempo”, Ed. Quetzal, 2016

30 outubro, 2017

Pétala nº 1984

“Um banqueiro é um homem que te empresta o chapéu-de-chuva quando faz sol e que to tira quando começa a chover.” 

Mark Twain, escritor americano (1835-1910)

29 outubro, 2017

Pétala nº 1983

“Não podemos fugir ao nosso destino.” 

Julian Barnes, escritor inglês (1946-), in “O ruído do tempo”, Ed. Quetzal, 2016

28 outubro, 2017

Pétala nº 1982

“As lágrimas são as mais sinceras palavras.”

António Gomes, autor do blogue “Existe sempre um lugar”.

27 outubro, 2017

Pétala nº 1981

“A música foge às palavras: é esse o seu propósito e a sua majestade.” 

Julian Barnes, escritor inglês (1946-), in “O ruído do tempo”, Ed. Quetzal, 2016

26 outubro, 2017

Pétala nº 1980

“… rugas, flacidez e cabelos brancos, que fiquem registados como prova do que vivi.” 

Cristina Branco, fadista portuguesa (1972-)

25 outubro, 2017

Pétala nº 1979

“Corrigir a verdade. É isso que todos fazemos quando se nos torna impossível corrigir a mentira.”

Enrique de Hériz, escritor espanhol (1964-), in “Mentira”, Ed. Dom Quixote, 2006

24 outubro, 2017

´Pétala nº 1978

“A inquietude é a verdadeira atitude diante da vida. “ 

Sören Kierkgaard, filósofo dinamarquês (1813-55) 

(Pétala enviada por Tais Luso.)

23 outubro, 2017

Pétala nº 1977

“Quem dera que fosse verdade que a memória é selectiva.” 

Enrique de Hériz, escritor espanhol (1964-), in “Mentira”, Ed. Dom Quixote, 2006

22 outubro, 2017

Pétala nº 1976

“A infância fica na nossa mente dos 8 aos 80, só temos que a alimentar.” 

Cristina Branco, fadista portuguesa (1972-)

21 outubro, 2017

Pétala nº 1975

“O silêncio de uma mãe não é uma declaração de paz, mas sim a bomba que põe termo à guerra.”

Enrique de Hériz, escritor espanhol (1964-), in “Mentira”, Ed. Dom Quixote, 2006

20 outubro, 2017

Pétala nº 1974

“O progresso é impossível sem mudança. Aqueles que não conseguem mudar as suas mentes não conseguem mudar nada.” 

George Bernard Shaw, escritor irlandês (1856-1950)

19 outubro, 2017

Pétala nº 1973

“O pânico impede-nos de pensar.” 

Enrique de Hériz, escritor espanhol (1964-), in “Mentira”, Ed. Dom Quixote, 2006

18 outubro, 2017

Pétala nº 1972

“Magoar alguém é transferir para outrem a degradação que temos em nós.” 

Simone Weil, escritora e filósofa francesa (1909-43)

17 outubro, 2017

Pétala nº 1971

“Que enganosa, a memória.” 

Enrique de Hériz, escritor espanhol (1964-), in “Mentira”, Ed. Dom Quixote, 2006

16 outubro, 2017

Pétala nº 1970

“Hoje desaprendo o que tinha aprendido até ontem e que amanhã recomeçarei a aprender.” 

Cecília Meireles, jornalista, escritora e professora brasileira (1901-64)

15 outubro, 2017

Pétala nº 1969

“O silêncio é às vezes uma das formas mais sofisticadas da mentira.” 

Enrique de Hériz, escritor espanhol (1964-), in “Mentira”, Ed. Dom Quixote, 2006

14 outubro, 2017

Pétala nº 1968

“A memória é a consciência inserida no tempo.” 

Fernando Pessoa, poeta português (1888-1935)

13 outubro, 2017

Pétala nº 1967

“Ninguém morre quando tem de morrer. Não existe a morte oportuna.” 

Enrique de Hériz, escritor espanhol (1964-), in “Mentira”, Ed. Dom Quixote, 2006

12 outubro, 2017

Pétala nº 1966

“É no problema da educação que assenta o grande segredo do aperfeiçoamento da humanidade.”

Emanuel Kant, filósofo prussiano (1724-1804)

11 outubro, 2017

Pétala nº 1965

“Ah, as palavras emprestadas, as palavras vazias, as malditas ubíquas palavras.” 

Enrique de Hériz, escritor espanhol (1964-), in “Mentira”, Ed. Dom Quixote, 2006

10 outubro, 2017

Pétala nº 1964

“A beleza é uma coisa terrível e espantosa. É o duelo do diabo e de Deus, sendo o coração humano o campo de batalha. “ 

Fiódor Dostoiévski, escritor russo (1821-81) 

(Pétala enviada por Tais Luso.)

09 outubro, 2017

Pétala nº 1963

“Às vezes, a vida faz por nós coisas que nós não fazemos pela vida.” 

Enrique de Hériz, escritor espanhol (1964-), in “Mentira”, Ed. Dom Quixote, 2006

08 outubro, 2017

Pétala nº 1962

“Ninguém sabe o que é a morte, mas não faz muita diferença, porque também nunca sabemos o que é a vida.” 

António Lobo Antunes, escritor português (1942-)

07 outubro, 2017

Pétala nº 1961

“A chorar aprende-se e cada um chora como sabe, como pode.” 

Enrique de Hériz, escritor espanhol (1964-), in “Mentira”, Ed. Dom Quixote, 2006

06 outubro, 2017

Pétala nº 1960

“Prudência é saber distinguir as coisas desejáveis das que convém evitar.” 
Cícero, filósofo da Roma-Antiga (-106/-43)

05 outubro, 2017

Pétala nº 1959

“O choro é uma forma de expressão cultural, algo que se pode aprender.” 

Enrique de Hériz, escritor espanhol (1964-), in “Mentira”, Ed. Dom Quixote, 2006

04 outubro, 2017

Pétala nº 1958

“Perder tempo a aprender coisas que não interessam priva-nos de descobrir coisas interessantes.”

Carlos Drummond de Andrade, escritor brasileiro (1902-87)

03 outubro, 2017

Pétala nº 1957

“Todos os erros cobram a sua factura.” 

Enrique de Hériz, escritor espanhol (1964-), in “Mentira”, Ed. Dom Quixote, 2006

02 outubro, 2017

Pétala nº 1956

“Liberdade de voar num horizonte qualquer, liberdade de pousar onde o coração quiser.” 

Cecília Meireles, jornalista, escritora e professora brasileira (1901-64)

01 outubro, 2017

Pétala nº 1955

“A morte implanta o caos social até que os vivos se encarregam de reordenar de algum modo a realidade.” 

Enrique de Hériz, escritor espanhol (1964-), in “Mentira”, Ed. Dom Quixote, 2006