10 junho, 2024

Pétala nº 3821

“Somos todos filhos da terra.”
(Abdulrazak Gurnah, in "Junto ao mar")


“Falo com os mapas. E às vezes eles respondem-me. Não é tão estranho quanto parece, nem é tão-pouco inaudito. Antes da existência dos mapas, o mundo era ilimitado. Foram os mapas que lhe deram a forma e o aspecto de um território, de uma coisa que podia ser possuída, e não apenas arrasada e saqueada. Os mapas tornaram os lugares na orla da imaginação alcançáveis e domesticáveis. E, mais tarde, quando essa necessidade surgiu, a geografia transformou-se em biologia, para construir a hierarquia com a qual seria possível identificar os povos que, inacessíveis e primitivos, viviam noutros sítios do mapa.” 

“Sou um refugiado, um requerente de asilo. Não são palavras simples, ainda que o hábito de as ouvirmos assim as façam parecer. (…) É um pequeno clímax comum nas nossas histórias, abandonar o que conhecemos e chegar a lugares estranhos, carregando fragmentos de bagagem desirmanada e reprimindo ambições secretas e incompreensíveis. (…) O que sabemos puxa-nos constantemente para o que não sabemos…

ABDULRAZAK GURNAH, escritor nascido em Zanzibar, em 1948, a viver em Inglaterra desde a década de 1960, in “Junto ao mar”, Ed. Cavalo de Ferro, 2022 
Prémio Nobel da Literatura, 2021


A que novos desastres determinas
De levar estes Reinos e esta gente?
Que perigos, que mortes lhe destinas,
Debaixo dalgum nome preminente?
Que promessas de reinos e de minas
D' ouro, que lhe farás tão facilmente?
Que famas lhe prometerás? Que histórias?
Que triunfos? Que palmas? Que vitórias?

LUÍS VAZ DE CAMÕES, poeta português (1524-80)
"Fala do Velho do Restelo", de OS LUSÍADAS


Boa semana! 

(fotos net)

11 comentários:

  1. Hoje Camões estremece com tanta gente a lembrar-se dele.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  2. Muito lindo falar com mapas e aprender com eles.

    Belo poema e homenagem à Camões nessa data!
    beijos, ótima semana e bom feriado!
    chica

    ResponderEliminar
  3. Bom.dia de feriado, querida amiga Teresa!
    Viva Camões! Viva Portugal!
    De tudo que li, me chamou a atenção:
    "uma coisa que podia ser possuída, e não apenas arrasada e saqueada".
    Até hoje se confundem...povos brigando sem entender.
    Tenha uma nova semana abençoada!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Olá amiga Teresa
    É verdade. Somos todos filhos da Terra. Temos que a respeitar e preservar.
    Bela homenagem ao nosso símbolo maior da língua portuguesa, Camões.
    Excelente pétala aqui partilha.
    Votos de uma excelente semana e bom feriado!
    Beijinhos, com carinho e amizade.

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com
    https://soltaastuaspalavras.blogspot.com

    ResponderEliminar
  5. Dois magníficos excertos.
    Excelentes escolhas.
    Boa semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  6. Rogério V. Pereirajunho 10, 2024

    "E há tanta terra, órfã. E há tanta mãe abandonada"
    a tua pétala, respondo com esta minha...
    E falando com mapas, eles nos enganam fazendo-nos crer, pelo traçado das fronteiras, que é nossa essa terra de ninguém...

    Se Camões estivesse por aqui
    não sei se lhe ouviríamos seus cantos

    Beijo de Velho do Restelo

    ResponderEliminar
  7. E tantos requerente de asilo que há pelo mundo tão indiferente aos dramas de cada um. Camões questiona bem: "Que famas lhe prometerás? Que histórias? Que triunfos? Que palmas? Que vitórias?"
    Pétalas cheias de sensibilidade minha Amiga Teresa.
    Um bom feriado.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  8. Boa semana Teresa e um excelente feriado 👏🇵🇹😘

    ResponderEliminar
  9. Minha querida amiga “jardineira”,
    Estamos sempre remando... Velejando... Pois, “navegar é preciso...”
    Como disse “Laura Restrepo”:

    “Quem não perdoa atravessa um rio de águas insalubres e fica ali para viver na margem!”

    Beijos, bom feriado e boa semana!!!

    ResponderEliminar
  10. Tantos anos depois e os velhos do Restelo ainda não foram embora.
    Beijo, boa semana

    ResponderEliminar
  11. Gostei de conhecer Gurnah e Camões é o nosso nome maior em poesia...

    Bom resto de semana, Teresa, abraço .

    ResponderEliminar